Um Grêmio como Renato: destemido e ousado

Este final de ano tá me saindo melhor que a encomenda. Ok, nada está ganho. Nem o Inter está realmente rebaixado (já descrevi meus temores no comentário anterior), nem o Grêmio é campeão da Copa Brasil, interrompendo 15 anos de uma seca típica dos piores tempos do sertão.

Mas só essa sensação de ser de novo centro das atenções, com o nome Grêmio ecoando mundo afora, ver a torcida comprando todos os ingressos para o jogo do dia 30 em pouco mais de 24 horas, ver o sorriso dos gremistas de orelha à orelha, ver o clube a 180 minutos de um título condizente com sua grandeza. Tudo isso já me anima, me conforta e, confesso, me faz mais feliz.

Não sei se o Grêmio vai chegar lá, lá onde merece, no topo. Só sei que estou com a alma lavada e enxaguada – como diria um personagem famoso da Tv – com a alegria dos gremistas e também, admito, com o desespero e o desânimo dos colorados.

Digo isso tranquilamente, porque os colorados viveram os últimos anos acometidos de uma soberba e de uma arrogância que parecem ser inspiradas em seu atual presidente, hoje uma figura tão patética como certos analistas da crônica esportiva gaúcha. Um pessoal que já não disfarça a dor com o virtual rebaixamento colorado e com a possibilidade de o Grêmio retomar a hegemonia no Estado e ser o único representante do futebol gaúcho na Série A/2017.

Bem, o destino do Grêmio na CB começa a ser definido neste noite de quarta-feira. Espero que Renato arme seu time não para garantir o empate, resultado mais próximo da derrota.

O Grêmio já provou que, compenetrado, forte na marcação e insistente no ataque, é um time poderoso. O próprio Atlético já sentiu o peso desse futebol que por vezes encanta, inclusive fora de casa. 

Concordo com Renato, que mantém o time e a estrutura que o levou à fase final da CB. Sim, Éverton merece ser titular. Mais ainda o Bolanos, de grande atuação no domingo. Mas se Renato mantém Pedro Rocha é porque tem seus motivos, um deles é de ajudar a fechar o meio de campo, a tal de recomposição. 

Só espero que o Grêmio não se encolha, não se intimide, ou se acadele, como dizem alguns. Não há motivo pra isso.

O Atlético não é melhor, embora tenha alguns nomes reluzentes, como Robinho, sempre perigoso com a bola nas imediações da área ou dentro dela.

A ausência do rápido e insinuante Luan, sim, é algo positivo. Luan, o deles, claro.

O Grêmio tem um time maduro, capaz de enfrentar qualquer adversário em qualquer lugar.

Há problemas em duas ou três posições, mas nada que não possa ser superado com o time jogando a 110%, sem temor e com ousadia.

Mais ou menos como era Renato jogador. Destemido e ousado.

Se gostou, compartilhe!

  • currachitas

    Quando a INTERnet cair não culpe o ROTHador.

  • Alexandre B. Galiazzi

    Esse dia vai demorar a passar…

  • Alexandre B. Galiazzi

    Um nó na garganta e uma bigorna no estômago… é assim que estou me sentindo hoje. Meter a cabeça e a alma no trabalho é o que me resta, para tentar não olhar a cada minuto para o relógio, contando os segundos para ver a bola rolar no Mineirão.

  • Robert Plant

    Ansiedade ilimitada. Voltei a ser um guri de 19 anos, o mesmo que no velho Olímpico viu Aílton explodindo a meta de Clemer em 15 de dezembro de 1996 e nos dando o bicampeonato brasileiro ou o de 20 anos que viu Carlos Miguel calar 100 mil pessoas no Maracanã em 23 de maio de 1997 nos dando o Tri da Copa do Brasil! Vamos tricolor, queremos a Copa!

    • Detective

      Amigo, emocionei-me ao ler isto. Lembrei também do gol do Iúra, GREnal do gol aos 13 segundos, em 14 de agosto de 1977, dia dos pais, e dia em que meu velho pai faleceu, aos 49 anos de idade, eu com 13 anos… Não choro agora por estar no trabalho.

      • Robert Plant

        Bah camarada, incrível história. Eu então, a esta altura, agosto de 1977, tinha 5 meses de vida…Os afetos se misturam à bola rolando e não raro, determinam a nossa paixão. Esses fatos nos marcam porque o futebol está entrelaçado nas nossas vidas. No dia do bi brasileiro, minha mãe estava na UTI. 53 anos. Quando Aílton fez o gol do título, na inferior do olímpico, uma galera de desconhecidos que naquele momento estavam mais unidos do que irmãos, se abraçaram em mim e juntos chorávamos. Gritavam: “Para a tua mãe, cara”. Dez dias depois, 25/12/1996, ela não resistiu. O futebol é a coisa mais importante das desimportantes. Detective, haveremos de ganhar a copa!

        • Detective

          Prezado amigo Plant, muito obrigado pela solidariedade. A dor é muita, só nós os que perdemos é que sabemos como é… Abraço fraterno…

        • Detective

          Que bela história, apesar de triste. Estas emoções são características gremistas. Ninguém tem igual…

      • José da Silva – COPIÃO DE TUDO

        Também sou órfão desde 14/01/2010 e isso nos remete a boas lembranças inevitáveis, porém, amigo, solte as lágrimas, pois elas lubrificam a alma e nestas horas nos faz um bem danado porque atrai bons ”fluídos & Cia”, isso é muito bom, pense nisso.

        Bom jogo, abraço fraterno.

        • Detective

          Prezado amigo Copião, muito obrigado pela solidariedade. Dói muito… Nós órfãos sempre sentimos muito, não importa a idade. Um fraterno abraço…

  • A fila anda

    Vamos tricolor!!!! Queremos a copa!!!!!

  • Renata Baldin Barretti

    Me apego a muitas superstições, mas não esqueço da previsão do teu falecido amigo!!!!

  • José da Silva – COPIÃO DE TUDO

    Queridos Gremistas !!!!!

    É evidente que existe uma certa apreensão, mas pensemos na capacidade do time que fez partidas épicas em MG desde o ano passado com este estilo de jogo que Renato Portaluppi manteve no time, com muita segurança nas bolas aéreas e defensivas, na compactação do meio campo e torcemos para que hoje as finalizações sejam perfeitas com os Deuses carimbando a nossa pontaria.

    Entendo que a concentração é total, cuidadosa, articulada e bem conduzida em todos os sentidos, pois é assim que senti ”todos” nas entrevistas desde o fim do jogo com o empate de 1×1 com o São Paulo e a vitória dos reservas sobre o América por 3×0 no domingo.

    Mesmo que todas as plataformas da I.V.I insistam em não POSITIVAR nada que venha do lado Gremista neste dia tão importante, omitindo esta final em várias capas da mídia por absoluto ”ALENTAÇO CONTÍNUO” aos colorados que estão numa zica danada dentro DA ZONA, o Grêmio Grande do Sul deve se propor a mais uma vez passar por cima de tudo & todos neste momento.

    Confiança, amigos Gremistas, pensamento sempre positivo na conquista e muita esperança porque nossas batalhas é e sempre será assim, muito difícil em todos os sentidos, porém, é por isso que somos diferenciados no RS.

    Abraço à todos, bom jogo pra nós, e que Deus esteja conosco, SEMPRE.

    • Rafael – Jack

      “Certa apreensão”, rssss

      Troquei o dia pela noite, 2a madrugada q passo em claro consuguindo dormir só de manhã. (antes q alguém me chame de vagabundo, tô em férias!)

      • José da Silva – COPIÃO DE TUDO

        Grande Rafael !!!!!

        Relaxe, amigo, lembras que eu escrevi que o Grêmio gosta de jogos duros e cascudos ????? Taí, mais uma prova ontem desta grande verdade ontem no Mineirão lotado e nós com uma exibição DE GALA, contra o galo. Que jogo.

  • Rafael – Jack

    Olhando um pouquinho pro lado de lá, sobre o post do Ilgo de uns dias atrás:

    http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/brasileiro/serie-a/ultimas-noticias/2016/11/23/inter-ve-brecha-para-acionar-tapetao-por-atleta-irregular-do-vitoria.htm

    Espero q isso sirva somente pra estender por ainda mais tempo o sofrimento dos colorados.

    • Daniel Scherer

      Pronto, arrumaram o jeitinho. Se isso tiver embasamento mínimo e uma pequena chance de 0,01% de ferrarem o Vitória, podem ter certeza que o pedalado vai mexer os pauzinhos, pois sabe o rabo sujo de toda a corja da CBF e STJD, é da mesma turma. O Vitória que se prepare,pois vem chumbo grosso.

  • Serrano

    Torcidas de Grêmio e Atlético desde já dando um SENHOR de um exemplo.

  • Ricardo de Cruzeiro

    Tá me dando um troço…parece que tenho 20 anos a menos,como se fosse
    Anos 90.