O torcedor é, antes de tudo, um crente

Para Euclides da Cunha, o ‘sertanejo é, antes de tudo, um forte’.

Parafraseando o genial autor de um livro sensacional que eu nunca li, Os Sertões, eu afirmo:

– O torcedor é, antes de tudo, um crente.

Por ser um crente, é fiel ao seu time faça chuva sol ou faça chuva, com avalanche ou sem avalanche, com Luxemburgo ou sem Luxemburgo, com Marco Antônio ou sem Marco Antônio. Enfim, cabe ao torcedor, antes e acima de tudo, acreditar. Acreditar sempre.

Todos os torcedores sempre acreditam no seu time, seja em que situação for. “Não está morto quem peleia”, já dizia uma ovelhinha cercada de lobos.

O torcedor é assim, principalmente quando ele foi forjado em inesquecíveis conquistas e doloridas derrotas, caso dos torcedores de grandes clubes. Torcedores de clubes menores, inexpressivos, já não possuem o mesmo envolvimento e são, portanto, desprovidos de fé tão intensa. Não saborearam grandes títulos nem sofreram revezes imprevisíveis.

Existem algumas categorias de torcedor. Tem aquele que acredita sempre, tapa os olhos, os ouvidos e o nariz. E vai em frente, numa paixão cega, fanática, gritando o nome do seu clube, no caso, uma extensão de sua pessoa. São, sem ofensa, umas velhinhas de Taubaté.

Tem aquele que, ao contrário, critica e questiona sempre. É o torcedor cri-cri, aquele que fica nas sociais do estádio corneteando o tempo todo. Em alguns clubes são conhecidos como os da ‘turma do amendoim’. O técnico é sempre burro. O dirigente um incompetente, e por aí vai.

O problema é que hoje, com o advento das redes sociais, eles ficaram mais poderosos e até influentes. Portanto, podem ser perigosos. Mas, de certa forma, são úteis, porque não deixam ninguém se acomodar.

Numa terceira categoria – cada uma delas com subdivisões – estão aqueles que torcem, vibram, mas estão sempre com um pé atrás,  um olho aberto e outro fechado.

Não há estatística que confirme, mas eu acredito que esse tipo de torcedor é maioria.

Eu próprio me incluo nessa faixa de ação. O bom é que transito sem pudor de um grupo para o outro. Tem horas que sou amargo como olina com limão e sal. Em situações assim eu fico com a certeza inarredável de que o Grêmio, com Luxemburgo de treinador, não será campeão da Libertadores.

Mas há outros momentos, mais raros, tipo aquele em que até os ateus clamam por Deus, ou seja, aquelas horas em que o cara se abraça a todos os santos, em que eu fico completamente crente no meu time. Sem um resquício sequer de racionalismo.

Neste exato momento, estou me encaminhando para encarnar a velhinha de Taubaté. Estou ingressando numa fase zen, tudo é paz e amor. A vida é bela. O Grêmio é imortal.

Até a hora do jogo contra o Fluminense já poderei ser confundido com um monge tibetano.

Nada irá me abalar. Nada irá abalar minha esperança e minha confiança na vitória.

E não estranhem se me encontrarem repetindo,em voz baixa mas firme, o mantra do torcedor:

– Vai dar certo, vai dar certo…

SUGESTÃO DE PAUTA

Os mesmos jornais que ignoraram o bate-boca do técnico Dunga com um torcedor no domingo, talvez se interessem em conferir o que está saindo na mídia do centro do país. Quem sabe até procurando ouvir as partes citadas, como manda o bom jornalismo.
http://www.blogremio.blogspot.com.br/2013/02/jornalismo-de-verdade-vai-atras-da.html

O mesmo material está sendo publicado em outros blogs, como o cornetadorw.blogspot.com.br

Se gostou, compartilhe!

  • MAZEMBIANO

    ILGO, eu me incluo na 3 categoria…e até hoje só não acertei na mega…estou inconformado com a atitude do time até agora em aspectos gerais que nós já sabemos, mas amanhã estarei fazendo meu salchipão e com os meus próximos, vendo o jogo e torcendo…mas o que mais me deixa nervoso é o fato que que eu acreditava muito nessa libertadores,mas estou meio preocupado e lá se vão 12 anos sem gritar sou campeão!Mas como estamos na corrente VAI DAR CERTO,VAI DAR CERTO,VAI DAR CERTO…

  • Roque Fernando

    Acredito que todos temos um pouco dos 3 pois de acordo com tipo de time que torcemos nos moldamos a necessidade. No caso do Grêmio, agora, é de persistência e de dar tempo para a instabilidade passar. Eu me lembro de um post teu sobre o Juarez Roth que estava num momento zen naquela época e que acreditava também. Os jogadores eram outros não, limitados. Agora, temos um time e falta entrosamento é o que eu vejo. E acho que o grêmio pode voltar até com uma vitória sem a pressão que sofre na sua própria terra, por meios de comunicação, torcedores e corneteiros de plantão.
    Eu estou tomando antibiótico e nem cerveja vou poder tomar na hora do jogo….vai ser no seco. Isso sim é muito ruim.

  • Francisco Coelho

    Ilgo; tem muitas coisas que não colocam em pauta como a do Fernando Carvalho ter participação em jogadores como divulgou o blog do paulinho. Quantos jogadores tem participação de dirigentes?

  • humbertosm

    Olina já e brabo, imagina com limão e sal, mas eu me incluo na terceira categoria.

  • rauru

    Ilgo, tudo bem? Estava vendo o primeiro tempo de Toluca e Nacional. E aí comparei: Conmebol ameaça interditar Arena por causa da Geral – nesse jogo tinha “barra brava” com tupo que é tipo de instrumento livre, leve (pesado?) e solto nas mãos dos barristas. A Conmebol não vê problema nisso? Autoridades (de todas as áreas, parece) exigem todo mundo sentado na Arena – no estádio mexicano esse, tinha todo tipo de coisa pra sentar:- espuma virada, espuma revirada, arquibancada daquelas que eram antigas já na Baixada. Lá, a Conmebol deixa. Por fim, uma faixa inteira da lateral de campo estava , digamos, destrambelhada. Aquilo, sim, seria motivo pra bola não rolar direito.
    Então, véio, é como vocês tão dizendo: vamos esquecer as broncas e pensar positivo. Pra cima deles, GREMIOOOOOO!!!!!!!!

  • rauru

    Ilgo, tudo bem? Estava vendo o primeiro tempo de Toluca e Nacional. E aí comparei: Conmebol ameaça interditar Arena por causa da Geral – nesse jogo tinha “barra brava” com tupo que é tipo de instrumento livre, leve (pesado?) e solto nas mãos dos barristas. A Conmebol não vê problema nisso? Autoridades (de todas as áreas, parece) exigem todo mundo sentado na Arena – no estádio mexicano esse, tinha todo tipo de coisa pra sentar:- espuma virada, espuma revirada, arquibancada daquelas que eram antigas já na Baixada. Lá, a Conmebol deixa. Por fim, uma faixa inteira da lateral de campo estava , digamos, destrambelhada. Aquilo, sim, seria motivo pra bola não rolar direito.
    Então, véio, é como vocês tão dizendo: vamos esquecer as broncas e pensar positivo. Pra cima deles, GREMIOOOOOO!!!!!!!!

  • Walter Borba

    Ilgo e colegas de blog…

    Quando se trata do Grêmio sou CRENTE FERVOROSO….sou aquele crente de andar de “bibilia” em baixo do braço.

    Todavia, fico descrente quando jovens jogadores de futuro, são preteridos por jogador de empresário e treinador.

    O Grêmio está viciado. O Grêmio não tem mais sua marca aguerrida.
    O Grêmio perdeu identidade.

    Não esqueço, a frase de Renato quando chegou ao clube como treinador: “….O que fizeram com meu Grêmio”…

    Renato Portaluppi, enquanto teve condições, foi o único que fez um time que lembrou o Grêmio dos velhos tempos….

    Por obvio, que hoje vou torcer como nunca.
    Talvez, o Luxa estando no seu “quintal”…não invente e escale o Grêmio de um modo que não perca para o Fluminense.

  • ilgo

    É isso, Walter, o negócio é garantir ao menos um ponto.

    Raul, esse negócio de estádios, se fosse pra valer a Conmebol já teria interditado quase todos.

  • Rui Gustavo

    Wlater Borba:
    “Renato Portaluppi, enquanto teve condições, foi o único que fez um time que lembrou o Grêmio dos velhos tempos….”
    E não ganhou NADA, assim como Luxemburgo. É por isso que o Grêmio não tem identidade, porque a pressa não deixa essa identidade ser criada. Aliás,qual é a identidade do Grêmio? A do time do Felipão, que era rotulado pela centro do país de violento e pegador? Aquele time JOGAVA MUITA BOLA, era TÉCNICO e TAMBÉM tinha pegada. Lembram do time do Otacilio de 1988? Apelidado de Grêmio Show, quem sabe é essa identidade do tricolor? Ou a identidade do grêmio é a batalha dos aflitos? Quem enxerga com a razão sabe que o que aconteceu naquele dia nada tem a ver com identidade e sim com competência e incompetência.
    O torcedor quer é time que VENÇA e não importa se foi com RAÇA,GARRA, TÉCNICA (um deles ou o somatório) time que ganha é o time que vira a identidade do clube. Apenas minha opinião, como torcedor confio no Koff, no Luxa, no Rui Costa, assim como confiei no Odone, no Obino, no Rafael Bandeira, no Roth e tantos outros dirigentes e treinadores que passaram. Perder faz parte, é ruim, só que a torcida em geral não pode ter pressa e após um mau resultado, trocar tudo, olha o exemplo do Corinthians, eliminado na primeira fase, aguentou no osso e colheu os frutos. Confiança na nosso Grêmio, vamos em frente.

  • Francisco Coelho

    Ilgo; o Grêmio está para a imprensa vermelha como a blogueira cubana Yoani está para a ala radical do PT.
    Estão desconstruindo o Grêmio e a charge da ZH hoje mostra bem isso.

  • Francisco Coelho

    Ilgo; alguma notícia do Grêmio B? Não deveriam estar jogando para pegar ritmo e conjunto?

  • Francisco Coelho

    Ilgo; o ruim é que tenho uma memória de elefante apesar da idade. No início desta gestação falou-se muito em renovação da base e na busca incansável de novos valores sul americanos. Se bem me lembro na partida do Equador treinando contra um clube local 2 jogadores agradaram ao treineiro Luxemburgo. Eles teriam vindo para um período de testes (um volante e um meia atacante). Foram aprovados? Quantos jogadores já foram contratados? Não se lê uma linha sobre isso na imprensa da Província.

  • nelsongz

    Em dia de jogo, sou a própria velhinha de Taubaté. Acredito que ALGUÉM vai entrar no vestiário e motivar os jogadores que serão imbatíveis.

  • nelsongz

    Depois do jogo, dependendo do resultado e do desempenho de jogadores em campo e do técnico, fora dele, posso ser o cri-cri ou estar eufórico, mas com um pé atrás.

    Flutuo pelas três situações com a maior naturalidade, sem preocupações com a coerência, pois sou apenas um GREMISTA!

  • MAZEMBIANO

    Francisco Coelho vc que observa bastante a base, o que achas do Wangler? Eu gosto desse jogador, porque ele não joga? Acho um desperdício ele fora…

  • Pitica

    Valeu Ilgo, pela citação ao meu último post no Imortal Tricolor.
    É isso aí. Imprensa gaúcha cada vez mais desmoralizada.
    Saudações imortais!!!!

  • Rodrigo

    O wangler é mais um jogador da categoria que o do “banco é que vai resolver”. Este é mais um canela de vidro.

  • Francisco Coelho

    MAZEMBIANO; Wangler é um 10 verdadeiro canhoto assim como o Derreti e o Biteco um meia atacante. É uma posição que não tem nenhum do TIME escolhidos do Luxemburgo. Zé é lateral de origem e Elano são VOLANTES e não meia. Meia é o que arma e entra na área adversária. Wangler estava no DM e o TIME não tem um meia verdadeiro. O Deco é um meia. Este é um fator para as dificuldades do Grêmio frente aos adversários, pois não tem jogador que abra o espaço e finalize. Sem um meia de verdade as dificuldades vão continuar. Biteco foi lateral mas a qualidade e habilidade o colocam de meia.

  • Thanks for sharing, this is a fantastic article.Thanks Again. Keep writing.