Brasil: já não estamos com essa bola toda

Nos meus últimos anos de CP, jogo da Seleção Brasileira sobrava pra mim. Quer dizer, eu era obrigado a ver o jogo e depois escrever sobre ele.

Lembrei disso ontem, quando ouvi o Rui Carlos Ostermann comentando o jogo Brasil x Itália.

Conclusão: o cara vai ficando velho e sobra para ele a Seleção.

Quem me acompanha há mais tempo, sabe que eu não me interesso pela seleção. Isso significa que não deixo de fazer outras coisas para assistir a qualquer jogo da Seleção.

Quer dizer, jogo contra a Argentina desperta minha atenção.

Conheço muita gente assim, que não liga pra seleção brasileira, ainda mais em amistosos.

Agora, esse jogo contra a Itália, na volta de Felipão, me atraiu.

Minha conclusão depois dos 2 a 2: o Brasil parece distante de ter uma equipe para a Copa do Mundo.

O Mano Menezes fez experiências demais. Não conseguiu nem definir uma base, nem um esquema confiável e realista.

O Mano escalava a seleção como quem acredita que o Brasil ainda é imbatível, que tem que ir para cima dos adversários, que o outro time é que precisa nos marcar. Enfim, essas bobagens que resultam em fracasso.

Para minha surpresa, e decepção, vi o Felipão seguindo a mesma cartilha, que parece ditada pela TV Globo com seu ufanismo tradicional e pernicioso, simbolizado em Galvão Bueno.

Felipão seguiu Mano e escalou um time faceiro, três atacantes para enfrentar a forte Itália.

Felipão calçou salto-alto. Sucumbiu ao oba-oba. Esqueceu que já não tem Rivaldo e Ronaldo.

Essa de escalar três atacantes foi demais. Ainda se fossem três grandes atacantes. Neymar, tudo bem, mas Hulk e Fred?

Não vejo um atacante da estatura técnica do Neymar hoje no futebol brasileiro. Há vários bons atacantes, goleadores como o Fred, o Damião, mas ambos não têm nível para titularidade. O Pato, se conseguir recuperar o brilho de seu início, seria uma saída.

Portanto, com essa carência, insistir com três atacantes é burrice, irresponsabilidade ou loucura, como diria o Gerdau.

A primeira providência de Felipão deve ser reconhecer que estamos numa safra modesta, sem grandes astros.

A partir daí ele deve começar a Seleção. Armar um time mais operário, com três volantes, dois que saibam chegar ao ataque com velocidade e técnica.

Eu começaria, a título de exemplo, com Fernando, ladeado por Paulinho e Hernanes. Mas há outros desse nível, como Ramires e Lucas, ex-Grêmio. Depois, Kaká ou Oscar. Quem sabe os dois juntos, sacando o camisa 9, já que não existe nenhum realmente digno de ser titular.

Enfim, o primeiro passo para armar uma seleção competitiva e capaz de ser campeã da Copa das Confederações e do Mundial é admitir que já não estamos com essa bola toda.

Se gostou, compartilhe!

  • Francisco Coelho

    Ilgo; provavelmente e é a minha opinião no caso da seleção a falta de entrosamento da zaga o principal defeito. Observando sites de fora e alguns bem informados além de ter assistido alguns jogos Marcos Correa Aoás. Marquinhos é um dos melhores zagueiros da atualidade. Seu “defeito” é ter 18 anos jogando no Roma e não ser tão alto tendo 1,84.

  • Francisco Coelho

    No caso de atacantes há um vazio e quando surge um logo é vendido e revendido por somas absurdas. Só que quando surgem alguns são encostados esperando amadurecerem por parte de treinadores e atacante tem de jogar e principalmente chutar e saber se posicionar. Outros são malhados e só aparecem após saírem de seus clubes e trabalharem com treinadores na acepção da palavra ganhando confiança e noção tática que pouco se usa no Brasil. Um que deveria estar treinando e jogando más não sei o que tem feito é o Coelho. Se não forem usar é melhor emprestar para clube de fora do Brasil.

  • MAZEMBIANO

    Ilgo e amigos, isso deveria ser tema de estudos, porque a maioria dos gremistas gaúchos, não gostam da seleção, ou só observam quando há alguém de história do Grêmio? Sinceramente só torço pra Itália em virtude de minha família, que somos descendentes de italianos…
    Ilgo no assunto anterior você não leu meu comentário sobre o Rech ficar insinuando que a indicação do Fernando na seleção é só por causa da amizade de Felipão com Koff! Diga pra ele parar com isso que ta feio essa palhaçada, gosto dele mas é uma bobagem amadora ele ficar dizendo isso, se é alguém do Inter é porque mereceu…

  • ilgo

    Mazembiano, não vi o Reche falando isso, uma bobagem absoluta que vou cobrar dele.
    aliás, domingo ao meio-dia estarei na r. Guaiba, se me lembrar e tiver oportunidade vou falar sobre esse assunto.

  • Francisco Coelho

    MAZEMBIANO; com raríssimas exceções e corintianos eu diria que Fernando é unanimidade entre os que entendem de futebol. Alguns já se mostram encantados, pois não perde dividida e sai sempre com a bola sem fazer falta. Até a iniciativa de bater faltas e bem chamou a atenção. Escanteio pela direita também sabe cobrar bem. Falta avançar um pouco e marcar gol que se consagra. Se tinha meia dúzia de clubes de olho agora são dezenas principalmente os da bota.

  • walter borba

    Ilgo e colegas de blog.

    Eu sendo tri da libertadores e bi mundial….é que importa.
    Seleção Brasileira para mim é o que menos importa, bem como a copa do mundo.
    É muito jogador estrelinha ultimamente na seleção.
    O galvão bueno faz um ufanismo desnecessário para uma seleção comum. Sem qualquer carisma.
    Para mim, com a aposentadoria do Romário, Bebeto, Dunga, JOrginho, Tafarel, terminou com a época romantica da seleção.

  • Bernardo

    Eu sempre torci bastante para a seleção, principalmente quando enfrenta times da Europa. Desanima-me muito ver o time perdendo varios jogos contra os grandes europeus, principalmente quando a causa da derrota é a escalação de empresario.
    Fui acostumado com uma seleção muito dificil de ser derrotada, embora não fizesse grandes partidas.

    Concordo com a mudança tatica, tem que ajustar o time para parar de tomar tantos gols e saber jogar com os jogadores medios que tem.

    Até no 4 a 3 contra a Argentina vi comentarista culpando o Neymar. Falar do zagueiro Juan que sequer foi titular do Inter e era titular naquele jogo ninguem falou.

  • Bernardo

    Desculpa o post duplo, mas esqueci de dizer.

    Nesse momento a seleção tem que fazer quenem os clubes brasileiros fazem no mundial. Correr e marcar mais que o time europeu. (o que o Santos não fez contra o Barça e foi humilhado, tivesse feito e ia apenas perder.)