A Libertadores e suas estranhas arbitragens

Cheguei em casa após a meia-noite decidido a escrever sobre o jogo em si, colocando a arbitragem em segundo lugar. Mas quando vi o lance faltoso sobre Jael decidi mudar o foco. Deixando claro que saí da Arena uns dois minutos antes do final. No rádio, ouvi o pessoal falando sobre o lance. Todos apontando o erro grave do juiz chileno. Em casa, vi que foi um pênalti daqueles inquestionáveis, escandalosos, de alavancar a carreira de qualquer juiz dentro de uma confederação corrupta. Passa a figurar na galeria dos ‘confiáveis’, se é que me entendem.

Eu não tinha nenhuma dúvida de que o maior adversário do Grêmio nas finais contra o Lanús seriam as arbitragens. Antes do jogo – fiquei horas no entorno da Arena e na sede do Multicampeão, por onde passaram centenas de gremistas – a quem me perguntasse eu dizia que o Grêmio venceria até com facilidade, mas que tinha muito medo da arbitragem.

O Lanús já havia mostrado sua força fora das quatro linhas – uma força superior ao futebol que joga – contra o River e também contra a Chapecoense, conseguindo eliminar os catarinenses no tapetão. Dizem o presidente do Lanús é muito amigo do pessoal que comanda a impoluta Conmebol, uma entidade casta, repleta de vestais.

Bem, esse Julio Bascunan começou a aprontar assim que a bola rolou na Arena, diante de 55 mil torcedores. Foram pequenos erros, a começar pela conivência com a cera do goleiro na reposição de bola.

Aqui uma previsão: duvido que no jogo da volta o juiz permitirá que Grohe faça o mesmo. Vai levar o amarelo na segunda tentativa.

Bem, quem como eu acompanha futebol a tanto tempo percebe quando está diante de um juiz tendencioso, mas esperto, que sabe conduzir o jogo de modo a beneficiar um lado. Isso ficou claro pra mim nos primeiros minutos.

Só não esperava que ele fosse tão acintoso a favor do Lanús. Antes do pênalti em Jael, no último segundo de jogo – ele encerrou imediatamente talvez até para não dar chance de algum pedido do trio de juízes eletrônicos de revisão do lance – houve outro lance. Este no primeiro tempo, envolvendo se não me engano Ramiro. Não vi a reprise do lance, mas na hora me pareceu pênalti num entrevero no final. Ramiro reclamou muito.

Bem, o Grêmio poderia ter vencido por 2 a 0, e ainda poderia ser mais se o time estivesse mais inspirado para furar o forte bloqueio do Lanús. Além de inspiração, faltou qualidade. Fernandinho não jogou nada. Pensei com meus botões, ele deve ficar em campo no máximo até os 10 minutos do segundo tempo. Ficou 12.

O problema que Éverton não adiantou grande coisa. Não resolveu o problema. Outro que estava mal, parece que anda jogando no sacrifício, é o Barrios.

Quem acrescentou ao menos vontade foi Jael. Outro que contribuiu para deixar o time mais incisivo foi Cícero. E o gol aconteceu quando Edílson deu um bom e velho balão desde a linha do meio de campo. A bola alcançou Jael e Cícero concluiu para fazer explodir a Arena de emoção e alegria.

Foi um gol que ninguém mais esperava, nem o gremista mais otimista. Ou alguém como eu, que projetava uma vitória fácil, repetindo, com uma arbitragem absolutamente neutra. Algo praticamente impossível na Libertadores.

O Grêmio que trabalhe forte nos bastidores para que o jogo do dia 29 tenha arbitragem isenta.

Ah, o presidente do Lanús, bem ao estilo gardelon, disse que não comenta arbitragens, ao ser questionado sobre o que havia ocorrido na Arena. Sim, vai falar o que, estava satisfeito. Perdeu por apenas 1 a 0 e ainda leva de lambuja a ausência de Kannemann.

O prato para a final está pronto, o Grêmio que tome providências fora de campo. Essa arbitragem escandalosa talvez até contribua para que o que houve aqui não se repita.

Grohe

Duas defesas difíceis, uma delas espetacular, lembrando o goleiro Banks contra Pelé. No mais, foi um espectador.

O goleiro Andrada foi menos exigido ainda. Uma bela defesa num chute de Cortêz, e nada mais. Contra ele, duas entregadas de bola que o Grêmio não conseguiu aproveitar. É um goleiro faceiro.

O drone: começaram as notícias para tumultuar

Estou preparado para enfrentar o ‘fogo amigo’ até a decisão no dia 29. Aguardo notícias sobre jogador do Grêmio que será vendido; jogador que já está negociado e vai embora em seguida; titular que não terá seu contrato renovado; jogador ‘bichado’ para a estreia.

Não vai faltar muita gente falando, repetindo, falando e repetindo que o Grêmio é favorito, que o Lanús não tem camisa, não tem tradição. Tudo para motivar ainda mais o forte time argentino.

O que não estava escrito no meu roteiro de ‘agenda negativa’ é essa história do drone espião, que estaria a serviço do Grêmio.

Não estou acostumado com essas modernidades.

E vou dizer: não acredito nisso. Primeiro, porque não consigo ver algum efeito prático de uma câmera filmando do alto ter realmente alguma utilidade. E se tem, não seria um expediente a ser aplicado em função de seu custo/benefício.

O custo é exatamente esse: a publicidade, a exposição negativa do clube. Se é coisa das internas do Grêmio, logicamente com autorização do técnico Renato, foi um grande erro.

Justamente por ser uma bobagem tão grande que não posso acreditar na veracidade da notícia.

Até assisti uma entrevista da repórter Gabriela Moreira, na ESPN. Ela é autora da reportagem. Uma jornalista de histórico polêmico. Na entrevista, ela garante que tem como provar que o espião foi contratado pelo Grêmio. Provas que ela promete revelar se for o caso.

Continuo não acreditando. Por outro lado, não posso acreditar que a jornalista fosse inventar isso tudo.

O fato é que havia alguém ‘filmando ou fotografando’ o treino do Lanús por intermédio de um drone.

O jornal argentino Ole, que gosta de provocar os brasileiros, já divulgou essa ‘descoberta’ da ESPN.

Vamos aguardar os esclarecimentos e as próximas notícias que possam deixar mal o representante na final da Libertadores.

Não ficarei surpreso se o tal espião não for alguém contratado justamente para atingir o Grêmio.

 

Uma análise dos reservas que deram susto no Santos

Gostei do time B/C (formado por reservas e jovens da casa) que enfrentou o Santos titular em plena Vila Belmiro e acabou batido, injustamente, por 1 a 0. Portanto, não estou entre aqueles que não conseguem ver nada de bom nessa equipe emergencial, que lembra muito aquela que foi derrotada pelo Sport, em Recife, nas primeiras rodadas, e que virou símbolo dos críticos da decisão da diretoria de focar na Copa do Brasil e Libertadores.

Vi qualidades e defeitos em todos os jogadores, mas a média geral foi boa. O setor defensivo, com Bressan e Thiery na zaga, deu conta do recado. O Santos poucas vezes levou perigo, isso que tem Ricardo Oliveira de centroavante, jogador que era objeto de desejo de nove entre dez gremistas nem faz muito tempo.

Não sei se é o espírito de finalista da Libertadores, mas consegui ver qualidade até no lateral Leonardo, que teve alguns bons lances entre outros menos felizes. Claro, não é jogador para o Grêmio. Assim como esse Conrado, que tem boa técnica. É possível que com mais experiência ele evolua, é possível, mas não levo fé.

O goleiro Paulo Vitor mais uma vez teve atuação segura, provando que é mesmo um reforço, um ótimo reserva para o Grohe.

O paizão do time foi o veterano Cristian. A maioria das bolas passava por ele. Os jovens meias do time não assumiram a responsabilidade da criação. Com isso, restou o toque de bola improdutivo no meio e a bola longa passando sobre o meio de campo.

O jovem Batista, ao menos para mim, continua sendo uma incógnita. Vejo nele potencial, embora tenha feito de novo uma partida irregular, com altos e baixos. Mostrou que bate bem na bola.

Patrick, de quem espero muito como a maioria dos gremistas, meio de que se escondeu. Teve um grande lance ao livrar-se de forte marcação na risca da pequena área e chutar para grande defesa do Vanderlei. Foi a melhor chance do Grêmio, que teve uma bola na trave, num chute colocado do Dionathã, outro com bom potencial.

Mais na frente, Jael. Muita luta, muito esforço e pouco resultado. De novo teve alguns bons lances. Recebeu dois cruzamentos na medida para fazer de cabeça e não aproveitou. Mas é centroavante, fica sempre perto da goleira inimiga. Quem sabe, como diria o Baltazar, Deus não está guardando algo melhor pra ele? Quem sabe?

A lamentar um pênalti no final, quando Jael foi puxado dentro da área numa cobrança de escanteio. Meia dúzia de árbitros trabalhando e nenhum viu lance tão escandaloso? Ou esse pessoal tem olhar seletivo?

 

O Inter e a generosidade do Poder Público

Realmente, não é fácil ser colorado nesses dias, mas a mídia, de um modo geral, busca tornar esse período mais ameno. E não é de agora, vem desde o rebaixamento à segundona, que aqui no pampa passou a ser chamada de série B e até de Brasileirão, que soa menos humilhante e mais ‘fofo’.

A notícia da agenda positiva do dia vem da coluna No Ataque, em ZH desta sexta, na qual o jornalista Diogo Olivier informa que o Inter está fechando parceria com um grupo português para investir na área do CT de Guaíba (parte dela ou toda era destinada a Ford).

O suposto grupo se compromete a fazer as obras, que incluem prédios e campos de futebol, etc, numa área de 88,7 hectares, tudo entregue ao clube de mão beijada, e por tempo indeterminado. O Inter ser agraciado com mimos desse porte já faz parte da rotina, a começar pelo terreno onde está o estádio e todo o seu entorno.

Essa ‘doação’, oficialmente uma permissão de uso em caráter oneroso (o clube tem compromisso de pagar R$ 35,6 mil mensais) foi assinada em evento no Palácio Piratini, dia 3 de outubro de 2014, pelo então presidente do Inter, Giovani Luigi, o prefeito de Guaíba Henrique Tavares, e o governador em exercício, o desembargador José Aquino Flores de Camargo, velho companheiro de debate na TV, grande colorado.

Pois o sr. Aquino, agora do outro lado do balcão, é quem comanda todo esse processo como dirigente colorado, em especial o negócio em que o tal grupo português se compromete a investir no terreno em Guaíba em troca de autorização para erguer espigões à beira do Guaíba.

Espero que os órgãos ambientalistas estejam atentos.

Antes de concluir, uma dica aos repórteres:

o Inter está pagando a mensalidade?

Outra, no contrato firmado três anos atrás foi estabelecido o prazo de dois anos, a partir da assinatura do acordo, para inauguração das obras, que, por sua vez, deveriam ter iniciado em 2015.

O descumprimento do prazo não gera nenhuma punição?

Por fim, essa história é parecida com a que resultou em outro mimo ao Inter, conforme a Lei 10.400, de 4 de abril de 2008. O Inter é contemplado com a área do Beira-Rio, uns 43 hectares, a título oneroso e por tempo indeterminado (como o terreno de Guaíba). Em troca, o Inter deve promover algumas ações de cunho social (o que deve ocorrer também na outra área) e pagar R$ 25 mil por mês.

Vou ficar por aqui porque a lista de favorecimentos é grande.

 

Quem foi à Arena viu o time da estreia contra o Lanús

Na rodada em que o Corinthians confirmou a conquista do título do Brasileiro/2017 – com uma mãozinha do Grêmio que optou por focar na Copa do Brasil e Libertadores e cedo colocou a competição em segundo plano – o técnico Renato Portaluppi comandou um treino de luxo na Arena.

Um “treino” importante para o Grêmio, que buscava garantir sua presença na Libertadores/2018 com uma vitória e, principalmente, ajustar ainda mais a equipe para os jogos contra o Lanús.

O Grêmio venceu por 1 a 0, gol do Kannemann – casualmente o único tricolor que escalei no meu time no Cartola, coisa de quem conhece. Antes de seguir, vale a pena lembrar o gol, consequência de uma jogada que o Grêmio não cansa de repetir: alguém recebe a bola enfiada no fundo, dentro da área, e o cruzamento sai rasteiro em diagonal para trás ou mesmo para dentro da pequena área. No caso, Edílson recuado enfiou para Geromel, que cruzou rasteiro. O zagueiraço argentino, que parece gremista de nascença, disputou com a zaga e o goleiro, e a bola acabou entrando.

Conforme observou o Seu Algoz, com quem assisti ao jogo na Arena, Geromel tem se posicionado pelo lado direito do ataque, dentro da área, nas cobranças de falta e escanteio. Isso aconteceu umas quatro ou cinco vezes nesse jogo, culminando com o gol da melhor dupla de área do país.

Foi um jogo morno no primeiro tempo, quase em ritmo de treino mesmo. O São Paulo não querendo se expor muito para garantir o empate, e o Grêmio sem forçar demais. No segundo, o SP aos poucos foi se soltando mais para buscar ao menos um gol. Aí, apareceu de novo Marcelo Grohe.

Mas o Grêmio também atacou. O goleiro adversário fez duas defesas seguidas num lance que teve chutes de Edilson e Ramiro; depois, numa conclusão muito perigosa de Éverton.

Bem, pra mim ficou claro que o time que irá enfrentar o Lanús no primeiro jogo, dia 22, é o mesmo que começou contra o SP. Jailson será titular, assim como Fernandinho.

Em princípio, eu gostaria de começar com Michel, mas Jailson voltou a viver uma grande fase. Não sei como realmente está Michel. Com Jailson o time ganha um cara alto nas duas áreas, a defensiva e a ofensiva. É um detalhe que pode decidir o título.

Fernandinho, que não foi bem nos últimos jogos, mas também não foi a ferida que muitos viram, teve atuação muito boa. Prestei muita atenção na movimentação dele. Realmente, é um jogador muito importante taticamente, e que ainda tem drible e força para superar a marcação e atacar. Éverton não possui a mesma disciplina tática, embora tenha a seu favor mais qualidade ofensiva. Pedro Rocha seria uma junção dos dois.

O “treino” serviu também para Luan ter uma prévia do que o espera. Apanhou muito e em rodízio. Se a arbitragem não coibir a violência com rigor, Luan vai penar.

Por fim, ficou a satisfação de ver o time todo ter uma atuação boa, segura. E tudo isso em ritmo de treino.

 

Imprensa comprometida mais atrapalha do que ajuda

Por melhores que sejam suas intenções, a crônica esportiva gaúcha só tem atrapalhado o Inter. Os jornalistas colorados – assumidos ou não -, que formam o que o blog cornetadorw chama de IVI, expressão já consagrada até nacionalmente, estão prestando um desserviço ao clube do coração.

Suas indicações para treinador normalmente não dão certo. É só prestar atenção. Às vezes não chegam a ser sugestões explícitas, mas no momento em que especulam nomes de certa forma estão tentando contribuir na busca de um técnico.

É natural que os repórteres saiam atrás e tentem descobrir ou adivinhar quem será o sucessor, no caso do Guto Ferreira – demitido, aliás, com poderosa participação de boa parte da mídia, que não reconheceu no técnico – mais um criado no clube – um trabalho convincente.

Foi assim, a propósito, com outros treinadores. Argel chegou a fazer boa campanha, com sequência de resultados positivo no Inter no Brasileirão passado. Até nesse momento ele teve apoio, nem da crônica esportiva rubra, em especial, nem da torcida.

Esses dois segmentos queriam ver o Inter jogando um futebol vistoso. Não admitiam isso publicamente, mas queriam ver o Inter vencendo e jogando bonito como o Grêmio.

Nessa comparação, outros profissionais naufragaram no mar de lágrimas formado pelo choro e pela inconformidade. O mais recente é Guto, alvo de tiroteio da mídia e da torcida, ambos sempre olhando a grama vistosa do vizinho, o Grêmio.

Nessas situações, sempre sobra para o treinador. Nunca para o time. No caso do Guto, houve quem dissesse que o Inter estava contratando melhor que o Grêmio. Depois, com alguns resultados positivos na segundona, não faltou colorado para dizer que o Inter tinha, ou tem, um elenco de série A, da divisão de elite. Os mesmos hoje silenciam, porque, à luz da razão e não da emoção, viram que o time é “bem mais ou menos”, sendo generoso.

Bem, se o time é “tão bom”, liderados pelo ídolo D’Alessandro – um ídolo que chama torcedor pra briga – e as atuações decepcionam tanto quanto os resultados, não pode sobrar para o grupo de jogadores. E sim para o pobre do treinador, que nunca vendeu essa ideia e sempre se mostrou cauteloso e realista em meio ao ufanismo de alguns integrantes do lado vermelho da imprensa gaúcha, que é, diga-se de passagem, expressiva maioria.

Sem contar os gremistas seduzidos e convertidos ao coloradismo, que por vezes se comportam como se vermelhos fossem, até mais realistas que o rei.

Claro, sobrou para o Guto, assim como aconteceu com Diego Aguirre – hoje os mesmos que o jogaram na fogueira mostram arrependimento -, Lisca, Argel, Falcão e o eterno Celso Roth, entre outros nomes que não me ocorrem neste momento. A lista é enorme.

Agora, segue a busca de um novo treinador. Roger apareceu com força, mas muito mais como balão de ensaio. O nome assanha os colorados, que acreditam que Roger possa repetir no Grêmio aquela sua fase vitoriosa – antes dos 4 a 0 diante do Coritiba, claro.

É óbvio que Roger não é louco de aceitar. Nem vou me dar ao trabalho de enumerar as razões, porque todos sabem que o Inter vive um período muito turbulento, sem sinais de calmaria no horizonte, pelo contrário.

Mas aí aparece também com força o Carpegiani, que faz ótimo trabalho no Bahia. É outro nome elogiado pelos integrantes da tal IVI criada pelo Ricardo Wortmann, um grupo inquieto e sempre disposto a buscar soluções ao clube do coração. Mas, como tentei demonstrar, não tem alcançado muito sucesso.

São os vitoriosos sempre. Como dizia o argentino César Menotti, são “los invictos”. Ajudam a contratar e ajudam a derrubar. Mas nunca é nada com eles. Sei muito bem disso, porque já ajudei a contratar e a derrubar. Faz parte desse jogo por vezes cruel e até, por que não?, irresponsável.

Grêmio, irritante, joga com pensamento no Lanús

A primeira palavra que me ocorreu após o empate por 1 a 1 com o Vitória, no Alfedo Jaconi, para definir o futebol do Grêmio foi ‘irritante’.

Poderia ser a palavra frustrante, mas eu não esperava muita coisa desse time que há horas joga pro gasto, olhos fixos no troféu da Libertadores. Portanto, não me frustrei. Nem me decepcionei.

Na verdade, não fiquei irritado apenas no final. Foi durante todos os 90 minutos.

Bem, como já disse, eu não esperava grande coisa, mas também imaginava que o time titular jogaria melhor, criaria mais oportunidades de gol. Enfim, mostrasse estar afinado para a grande decisão que começa dia 22, mas que já faz parte de nós desde a classificação diante do Barcelona, o exterminador de brasileiros – é sempre bom lembrar.

O que mais me irritou: os erros no antepenúltimo e penúltimo passes, o que explica em parte porque o time foi tão pouco efetivo, apesar do maior volume de jogo e também tendo um jogador a mais por uns 30 minutos.

Os melhores passes para gol, salvo engano, foram de Ramiro. O primeiro ele lançou Leonardo (que até jogou bem em comparação com ele mesmo), que cruzou na medida para Fernandinho empatar o jogo.

Aqui, um aparte: minutos antes do Vitória havia feito seu gol, com um impedimento que eu vi na hora diante da TV. Então, não fosse esse erro o Grêmio teria provavelmente somado mais três pontos.

Voltando ao Ramiro: ele cruzou uma bola perfeita para Barrios fazer o segundo gol, mas o goleiro salvou. No mais, não lembro de jogadas mais trabalhadas que levassem perigo. Já não se pode dizer o mesmo do time baiano, que enquanto esteve completo levou mais perigo que o Grêmio.

Agora, mesmo irritado, tenho de admitir que a maioria dos jogadores entrou em campo para manter ritmo de jogo, sem se expor muito, pensando no Lanús.

Luan é o maior exemplo. Aliás, espero mesmo que ele tenha jogado pensando em se preservar, porque se ele jogar contra os argentino o que jogou neste domingo… Não quero nem pensar. Ele parecia distraído como quem olha as vitrines do shopping Iguatemi.

Não tenho dúvida de que teremos o Luan focado e determinado contra o Lanús, e isso é o que realmente importa.

Outra coisa que me deixou um tanto irritado: Jael e Lucas Barrios juntos. Foi uma substituição simplista do Renato, talvez pensando no Lanús, não sei. Ele deveria ter sacado Barrios, que não jogou nada de novo. Jael entrou e fez uns dois ou três lances de boa qualidade. Mas ele e Barrios juntos nada acrescentaram, até facilitaram para os zagueiros do Vitória.

É importante registrar, contudo, que à essa altura os baianos se defendiam na bravura, congestionando o setor defensivo.

O fato é que apelar para dois centroavantes para resolver um problema de falta de criatividade e de técnica nos últimos passes me fez recuar aos anos 70, 80 e 90.

Cheguei a lembrar do Telê Santana apelando para o grande zagueiro Oberdan de centroavante num Gre-Nal, mais isso nos minutos derradeiros, no mais absoluto desespero.

Não era o caso do jogo no Jaconi. E espero que não chegue a algo parecido contra o Lanús. Seria muito sofrimento.

CONE

Jogaram um Damião num soldado de BM. É a brincadeira que estão fazendo diante da foto em que um cone é arremessado, pelas costas, sobre um soldado.

“Damião agride brigadiano”, dizem.

Brincadeira à parte, confusão e agressões no Beira-Rio já estão ficando banalizadas. É hora de o MP atuar com mais rigor, porque já está ficando chato. A cada tumulto, com direito a quebra-quebra, os gremistas reverberam nas redes sociais: “Ah, se isso fosse na Arena…”

 

 

O futebol com seus chapas brancas e urubulinos

É fascinante e intrigante esse mundo dos torcedores de futebol. No meu tempo de jornalista esportivo, atividade que exerci até abril de 2010, não havia essa quase histeria coletiva que aproxima e afasta as pessoas, dependendo das circunstâncias.

As redes sociais deram voz ativa aos torcedores, que antes eram agentes quase passivos, restritos à participações em programas esportivos via telefone, carta, fonograma, pombo correio… É um mundo em efervescência, em ebulição.

O fato é que os jornalistas esportivos já não falam sozinhos. Há toda uma legião de torcedores querendo opinar, informar, trocar ideias, debater, elogiar, atacar e ofender. E são ofensas muitas vezes agressivas demais, em tom raivoso, beligerante.

Estamos diante do crescente empoderamento – nunca pensei que fosse empregar essa palavra – do torcedor. Quem não tem blog, tuíter, face entra nos espaços dos outros para exercer esse poder, nem que para isso apele para a ignorância algumas vezes.

Com isso, sucedem-se os conflitos. E não só gremistas x colorados ou torcedores x jornalistas. O pau tá pegando firme entre torcedores do mesmo clube. Sabe aquelas brigas nos estádios, aqueles ‘bolinhos’ entre torcedores logo apartados? É guerra de travesseiro perto do que acontece nas redes sociais, que em alguns casos só não resultam em agressões físicas porque o embate é virtual.

No caso dos gremistas, que eu acompanho de perto, é impressionante como tudo pode ser motivo para divergência, tomada de posição, radicalismo. Quem não pensa igual ou parecido se torna adversário, ou até inimigo. E por questões muitas vezes banais, insignificantes. Tudo ganha uma dimensão desproporcional ao fato.

Vejamos: aqueles que basicamente elogiam o Grêmio como um todo, sem entrar muito em detalhes, são taxados de oficialistas, chapas brancas. Já os que criticam até a roupa do Renato à beira do campo são os amargos, os urubulinos, apelido carinhoso que eu apliquei numa galerinha rançosa que mais critica do que comemora, e que parece estar sempre se vacinando contra futuras frustrações e decepções.

(Mas, que, se tudo der certo, estará comigo na Goethe no final do ano.)

Bem, se entender que a direção do Grêmio, a comissão técnica e os jogadores estão fazendo um trabalho de alto nível de forma geral – os resultados estão aí para comprovar – é ser chapa branca, então não resta dúvida, sou chapa branca.

Agora, nunca deixo de destacar o que considero errado, mas não é muita coisa, são detalhes. Já os mais, digamos, críticos, são uns implicantes antes de tudo, em especial com o Renato. Se ele opta por Jael, é por bruxismo, não porque se trata de um jogador que mantém o esquema no caso da ausência de Lucas Barrios. Idem para alguns outros do grupo, como o Fernandinho.

Já eu penso diferente: o Renato conhece melhor o potencial técnico e emocional de cada jogador, as alternativas não são tão melhores assim, então que se dê crédito a quem já provou qualidades. Eu prefiro o Éverton ao Fernandinho, mas não faço disso um motivo para atacar e ofender o treinador. Quem quiser fazer, que o faça

Eu vejo alguns jogadores insuficientes no grupo, mas ainda assim o Grêmio está avançando. Muito por causa do Renato, que, apesar de perdas significativas em relação ao time que venceu a Copa do Brasil 2016 com uma campanha espetacular, consegue manter um bom padrão de jogo quando conta com os titulares ‘sobreviventes’.

“Ó, olha o chapa branca se manifestando”, vão dizer. Por outro lado, tem gremista cobrando o mesmo padrão de jogo que havia na reta final da CB, quando o Grêmio encantou o país com um futebol bonito e efetivo. Ignoram que o time sente a perda de Maicon, Douglas e Pedro Rocha. Sem contar o Bolanos, contratado a peso de ouro.

Hoje, infelizmente, em função de desfalques sucessivos e ausências irremediáveis (Maicon, Douglas, Pedro Rocha), o toque de bola já não é o mesmo, e Renato teve de buscar outras soluções, nem sempre as ideais em função da limitação do grupo.

Muitos gremistas pensam como eu, não no todo, porque aí seria impossível. Mas há quem pense diferente, também não no todo, mas em alguns aspectos. O importante é aceitar quem pensa diferente. Portanto, é possível conviver com um mínimo de respeito, harmonia e civilidade. Eu disse um mínimo, porque mais que isso é quase impossível.

Nunca haverá unanimidade, nem na mesa do bar com meia dúzia de gremistas nem no whats, blog ou no twitter, com seus milhões de torcedores que formam um gigantesco coro de gente ansiosa para ser protagonista em todo esse processo que envolve o futebol, fiscalizando, opinando e cobrando.

Grohe e reservas garantem a vitória em Campinas

Tem gente que não consegue entender que o Grêmio jogou com um time reserva em Campinas, e taca-lhe pau. Nos meus grupos de whats tem gente que anunciou que não assistiria ao jogo diante da escalação apresentada. Queriam, quem sabe?, um time mais forte, com o máximo de titulares?

Renato é um sábio. Ele anteviu que enfrentaria um time desesperado, que dá pau até na sombra, e mandou a campo o mínimo possível de titulares. O que a Ponte Preta bateu não foi brincadeira. O Bob Esponja, digo, o Fernando Bob, quase afundou a barriga e o tórax de Ramiro ainda no primeiro tempo, sendo expulso com toda a justiça. Depois, outros lances violentos ocorreram, mas com punição branda.

Por sorte, ou sabedoria do técnico, o Grêmio manteve seu goleiro titular. Marcelo Grohe foi simplesmente espetacular, com seus braços “de motorista de kombi e de jacaré”. Grohe impediu não apenas a derrota, mas quem sabe até uma humilhação do TIME RESERVA. Escrevo assim em caixa alta, ou maiúscula, para que os gremistas infelizes não esqueçam que não foram os titulares que enfrentaram a Ponte Preta.

Grohe foi milagroso, e, aqui entre nós, um tanto sortudo. Aliás, goleiro sem sorte não chega a lugar algum. O fato é que o Grêmio, mesmo com reservas, obteve sua segunda vitória seguida e já assumiu, temporariamente, o segundo lugar no Brasileirão.

Sobre o gol, há que se destacar que a jogada começou com o vilipendiado Jael, que lançou Léo Moura pela direita, cruzamento perfeito na cabeça do baixinho Ramiro, o onipresente. Ramiro tem uma qualidade rara: a intuição da jogada. Por isso, além de marcar como um obstinado, ainda aparece para marcar gols decisivos. E há quem o queira fora do time.

Futebol é mesmo fascinante.

ÉVERTON

No mais, todos nós que defendemos a presença de Éverton pelo lado esquerdo do ataque no lugar de Ferdinando, não temos do que reclamar. Fomos atendidos. Quem leu meu comentário anterior sabe do que estou falando. Éverton não foi exatamente o que a gente esperava, mas deixou evidente, ao menos para mim, que jogando ao lado de um Luan e de um Lucas Barrios, irá render muito mais.

Então, Éverton de titular. Fernandinho, que entrou no segundo tempo, pode continuar lustrando o banco de reservas.

 

Éverton faz Renato reviver situação dos anos 80

Se Renato recuar no tempo verá que a sua relação com Éverton lembra bastante a que viveu como jogador do técnico Ênio Andrade em seu início no Grêmio.

Eu era setorista do clube pelo jornal Folha da Tarde. Eu e o Marco Antônio Schuster, que hoje desfruta, merecidamente, do clima europeu de Gramado. A gente enchia a concorrência de furos. Está bem, não era tanto assim.

O Schuster, pra quem não sabe, foi o alvo que Renato tentou acertar durante um treino, virando-se para a casamata do lado da social do Olímpico, batendo e tirando um fininho (como se dizia) do Schuster.

Renato era assim, brincalhão quando podia brincar; e sério quando se exigia seriedade. Penso que ele é assim até hoje.

Já naquele tempo, no alvorecer dos anos 80, ele fazia a alegria dos repórteres com suas tiradas nas entrevistas e, claro, lances surpreendentes como esse envolvendo o Schuster e que muita gente pensa que ocorreu comigo (éramos muito parecidos).

Renato vira e mexe salvava as edições de jornais com frases de efeito, comportamento irreverente (irresponsável para os mais conservadores) e atitudes e declações que fugiam ao padrão dos jogadores de futebol e que hoje ele repete como treinador.

Quando ele foi embora para o Flamengo por 600 mil dólares, em quatro parcelas que o clube carioca sempre atrasou, eu senti muito porque desfalcava o Grêmio, mas principalmente porque perdia uma fonte de notícias e bom-humor.

Bem, para não me estender nas memórias, vejo no Éverton o Renato do passado, dentro de suas devidas proporções, claro.

Renato buscava um lugar no time, estraçalhando nos treinos e quando entrava nos jogos. Mas Tarciso era o titular, jogador da confiança de Ênio Andrade. Tarciso era, também, o tipo do profissional que os técnicos gostam, aplicado, obediente, tático, etc. O contrário de Renato.

Mas Renato jogava mais, com todo respeito aos fãs do Flecha Negra. Nos treinos titulares x reservas, Renato sempre se destacava. Seu marcador, Dirceu Jarrão, sofria.

Hoje, Renato tem o seu Tarciso (Fernandinho) e o seu Renato (Éverton).

Éverton (como Renato naquele tempo) está pedindo passagem. Renato tem suas razões para optar por Fernandinho. Prova de que até os mais irreverentes têm o seu lado conservador.

Ao barrar Éverton, ele está, de certa forma, concordando com Ênio Andrade, que preferia Tarciso – como hoje ele opta por Fernandinho -, decisão contra a qual Renato se rebelava. E nós setoristas, em sua maioria, também.  A gente sempre destacava as atuações de Renato nos treinos tentando influenciar o técnico.

Agora, tantos anos depois, Renato se depara com situação parecida. Por enquanto, ele está mais para Ênio Andrade.

Mas acho que não vai resistir muito tempo, assim como o velho Ênio não resistiu.