Alcindo, obrigado por tudo!

Alcindo é o centroavante da minha seleção do Grêmio de todos os tempos. 

Descobri Alcindo na minha mais tenra juventude, lendo a Folha Esportiva e a Folha da Tarde na década de 60, mais precisamente em 1965/66.

Lembro-me também de ouvir os gols de Alcindo na rádio Guaíba. Gols que depois pude ver no Canal 100, no cinema. Há jogos antológicos contra Vasco e Botafogo, que naquele tempo eram poderosos. Vitórias no Maracanã. Alberto (goleiro da minha seleção tricolor) fechando o gol e Alcindo marcando na frente.

Alcindo empilhava gols. Tantos gols que foi lembrado para a seleção brasileira de 66. Imaginem, um jogador da periferia do país naquele tempo precisava ‘gastar’ a bola para ser cogitado a vestir a amarelinha.

Pois Alcindo abriu seu espaço nos treinos da Seleção entre os 44 convocados, numa espécie de vestibular para ver quem iria para a Copa do Mundo da Inglaterra.

Chego a me emocionar ao cavocar minha memória (sem recorrer ao Google) e lembrar as manchetes em que Alcindo aparecia com destaque nos treinos, formando uma dupla imbatível com Tostão.

Os dois fizeram tantos gols e jogaram tão bem que ficaram no grupo principal.

Na Copa, Alcindo jogou ao lado de Pelé e Garrincha. Poucos jogadores ostentam isso em seus currículos.

Alcindo virou parceirão de Pelé, e de Tostão, claro.

Alcindo, não vai nascer outro igual. Aliás, Alcindo foi o último centroavante de qualidade formado na base gremista.

Parece incrível, mas é verdade.

Alcindo, muito obrigado!

Descanse em paz!

CORNETA DO RW

Vale a pena conferir essa bela homenagem do RW:

http://cornetadorw.blogspot.com.br/2016/08/alcindo_28.html

 

Se gostou, compartilhe!

  • Ilgo Wink
  • Serrano

    É triste o momento que passa o torcedor gremista.

    Morreu hoje um dos maiores jogadores a vestir a camisa do Grêmio. O seu maior goleador. Por tudo que ouvi, já que não o vi jogar, alguém que unia qualidade técnica, força e espírito de luta. Um atacante reconhecido até por Pelé.

    É oito e meia da noite, e só vejo uma postagem na seção de comentários.

    Vivemos o torpor de um período sem conquistas. O ciclo de empolgação/ desânimo é tão implacável que gradualmente vamos nos dessensibilizando, mais e mais apáticos e alheios ao que nos deveria ser mais caro e precioso. Jogadores como Alcindo fazem falta. Hoje, mais do que nunca. E nem mesmo isso nos move a render as devidas homenagens.

    Gostaria de realmente acreditar em Instâncias Superiores para invocar: Bugre, de onde estiver, dá uma força pra nós. Porque a coisa aqui tá braba.

    • Ilgo Wink

      Ninguém parece ter tempo nem para uma rápida homenagem ao grande Alcindo.