Sem empolgação

Sem empolgação

Fui rotulado de ‘pessimista’ ao participar do programa do Reche, o Cadeira Cativa, na UlbraTV, dias atrás.

Fui acusado de ter comido limão com sal antes de sair de casa. Isso só porque, contrariando a maioria dos gremistas, não consigo me entusiasmar com o time montado até agora pelo Paulo Pelaipe, apesar de reconhecer o esforço e o conhecimento do dirigente.

Tirando a dupla Marcelo Moreno/Kleber, nada me empolga.

Fico intrigado, e irritado, quando leio e ouço que Léo Gago será o segundo volante, e que Fábio Rochemback o seu reserva.

Com base em que alguém pode sentenciar que esse jogador, que é bom, sem dúvida, vai chegar aqui e logo assumir a titularidade? Eu não tenho a menor dúvida que o titular continuará sendo o FR. A não ser que o Misael prove tudo aquilo que dizem dele.

Até admito que Gago possa ganhar a posição, mas terá de mostrar muito mais bola do que já mostrou em sua longa trajetória.

O que estou querendo dizer é que Pelaipe não contratou um segundo volante à altura do que o Grêmio precisa para voltar a conquistar grandes títulos.

Então, o problema começa aí.

E a zaga? Alguém pode garantir que Simon é mesmo o zagueiro que o time precisa? Eu gosto dele, ainda mais depois do pontapé no RG, mas acho temerário começar a temporada sem contratar um grande zagueiro.

O clube está tentando Lugano, mas não é um negócio fácil. Se não vier Lugano, tem que vir outro com envergadura similar. Pelo menos um grande zagueiro. Eu já acho que deveria vir uma dupla pronta e inquestionável.

No meio de campo, o que temos é Marco Antônio e Douglas nas meias. O primeiro não conheço; o segundo conheço o suficiente para não mais confiar nele.

Aguarda-se a contratação de Carlos Eduardo. Giuliano é outro. Entre os dois, prefiro o primeiro. Mas qualquer um deles vai acrescentar qualidade. O segundo tem a vantagem de irritar os colorados. Mas ainda assim fico com o Carlos Eduardo, que é mais rápido, mais objetivo.

Então, o que vejo é um time com lacunas significativas. Por isso, não me empolgo.

Podem me rotular de pessimista.

DISCURSO

Gostei do discurso do presidente Odone na apresentação dos jogadores. Ele disse claramente que quem não quiser trabalhar, dar o máximo, que faça as malas, que ele ajuda a encontrar clube, sem problemas. Desconfio que foi uma diretíssima pro Douglas.

Já o discurso do Luigi foi fraquinho: em menos de três minutos ele usou pelo menos três vezes a expressão ‘sem sombra de dúvidas’.

INTER

Se eu fosse colorado estaria ainda mais preocupado. A exemplo do Grêmio, a dupla de área é pouco confiável, ou nada confiável. Índio é quase avô. Moledo é apenas razoável. E o Bolívar? parece que a torcida vai ter que aturá-lo mais uma temporada.

Kleber, que mais uma vez fez que foi, mas acabou ficando, é um lateral decadente, embora de boa técnica e visão de jogo. Nei é razoável.

O meio campo colorado continua sendo seu ponto mais forte. Mas está envelhecido. É claro que o ataque agora, com Dagoberto, ficou muito fortalecido.

Dagoberto, que gosta muito de fazer gol no Grêmio, e Damião formam uma dupla realmente de respeito.

E os dois aparentemente se completam.

Acho que até é mais afinada que a dupla Kleber/Moreno.

Vamos ver qual irá se sair melhor.

Lugano vem aí. Vem?

Lugano vem aí. Vem?

Já que o momento na mídia é de arriscar nomes na esperança de que um chute acerte o alvo para depois sair alardeando que foi o primeiro a noticiar, decidi voltar à essa prática, minha especialidade nos tempos de repórter esportivo.

Dias atrás escrevi que Lugano seria o nome mais indicado para acertar a defesa do Grêmio e, de quebra, empolgar a torcida. Seria, sem dúvida, a principal contratação do clube nos últimos anos.

Hoje, obtive a informação de que o Grêmio já definiu detalhes de um contrato com o zagueiro uruguaio. A fonte é confiável, principalmente porque está fora do circuito do futebol. Não é empresário, procurador, dirigente, parente de dirigente, amante de dirigente. Enfim, não é uma pessoa que poderia ter alguma vantagem em divulgar qualquer informação sobre compra ou venda de jogador. Por isso, confiável. E séria.

De minha parte, torço para que a informação acabe se confirmando. Repito: o negócio está em andamento, não concluído. E pode ser que não se concretize, já que é um negócio complicado. Além disso, o que não falta é gente para tumultuar.

Se Lugano empolga, Giuliano agrada apenas.

Trata-se de um bom jogador, mas não penso que seja uma solução para o meio de campo gremista. No Inter, ele nunca foi titular absoluto. Teve algumas belas atuações e marcou gols decisivos na campanha do bi da Libertadores, alguns meio de xiripa, ou seja, na sorte.

Penso que é um jogador muito caro e que não é uma solução. É um acréscimo de qualidade, sem dúvida, mas prefiro o Carlos Eduardo, por exemplo.

Até não sei se a direção gremista não está aplicando a tática do quero-quero. Grita Giuliano aqui, para contratar Carlos Eduardo ali, com o objetivo de mostrar ao clube russo que há outras possibilidades.

A contratação de Giuliano, por outro lado, tem, como diria o Lula, “um plus a mais”, que é mexer com os colorados.

Mas penso que o Grêmio, agora, tem mais é que tratar de fazer um grande time, sem pensar em provocações.

É preciso acreditar!

É preciso acreditar!

2011 termina pior que 2010, um ano que só não foi um desastre absoluto porque, mergulhado numa crise, o então presidente Duda jogou todas suas fichas em Renato Portaluppi, o mesmo que rejeitou quando demitiu Celso Roth em meio à Libertadores de 2009 para contratar o insosso Paulo Autuori.

Sei que o momento é de pensar o futuro, não de revolver o passado.

Mas eu considero imprescindível olhar pelo retrovisor para evitar erros cometidos lá atrás.

No Grêmio, as lições do passado, mesmo ainda frescas, recentes, são desprezadas, ou por estupidez ou por questões políticas. Ou ainda por outros interesses.

O único legado da gestão 2010 foi uma Libertadores, uma herança que a gestão atual não soube aproveitar, um pouco em função de ter vindo acompanhada de um presente indigesto ao sr Paulo Odone, o técnico Renato Portaluppi, mas muito mais por incompetência mesmo.

O ano termina sem aquela loucura de tentar trazer Ronaldinho na esperança de que ao retornar ao clube que o formou o jogador voltaria a ser aquele atleta aplicado e interessado que um dia deslumbrou o mundo.

Dessa vez não houve perda de tempo com delírios e pirotecnias midiáticas.

Na ânsia de se redimir e consciente que os próximos 365 dias serão decisivos para determinadas carreiras no clube e fora dele, a atual gestão passou a agir com mais objetividade e determinação.

As contratações de Kleber e Moreno dão um alento, mas ao mesmo tempo preocupam pelo alto investimento.

Mas o principal é que o homem que comanda esse processo mostra conhecimento sobre as necessidades da equipe. O diretor Paulo Pelaipe está montando a equipe para este ano da Arena com atenção e cuidado, e isso sim me deixa um pouco mais esperançoso.

Não confiante, mas mais esperançoso, o que me faz concluir que pouca coisa mudou.

A esperança continua sendo o que move o torcedor do Grêmio. Tem sido assim há dez anos.

Esperemos que este 2012 altere essa rotina desagradável, enfadonha, irritante, gosmenta, nauseante.

É preciso acreditar!

Um grande 2012 pra todos nós.

Gago, a base e a Arena

Gago, a base e a Arena

A contratação de Léo Gago é intrigante. Trata-se um bom jogador, mas é daquele tipo que ao se chutar uma pedra saem dezenas iguais. Entre eles, alguns da categoria base do Grêmio.

Não posso acreditar que não existam uns dois ou três volantes e condições de aproveitamento no time principal. Aliás, o que mais aparece na base gremista é volante.

Está certo que Léo Gago é um jogador experiente. Mas se Fernando foi aproveitado e rapidamente se firmou, por que não pode acontecer o mesmo com outro guri do junior?

O Grêmio investiu pesado em dois atacantes, dois grandes atacantes. O time começará o ano com o que não teve durante todo este 2011 que já vai tarde: um ataque de qualidade.

Aí, na hora de contratar um segundo volante para jogar ao lado de Fernando, vem Léo Gago. Eu até gosto desse jogador, mas o momento não é de buscar jogadores medianos, e sim de contratar jogadores que cheguem para assumir a titularidade independente do treinador.

Jogador para compor o grupo deve ser buscado na base. Eu sei que a base do Grêmio neste ano obteve resultados medonhos, o que faz a gente ficar ainda mais intrigado. O que está acontecendo na base gremista? É incompetência demais? Outros interesses interferem na escolha e escalação de jogadores? Há carteiraço de empresários?

Se a base gremista não for reorganizada o Grêmio dificilmente poderá repetir a década de 90. Não tem como formar time vencedor somente com gente de fora. Quer dizer, até é possível, mas custa caro e o retorno não é garantido.

As categorias de base do Grêmio merecem tanta atenção quanto a Arena.

Não adianta ter uma casa maravilhosa se os inquilinos não estiverem à altura.

Retomando: o ataque titular está aí.

Mas e a defesa? E o meio campo?

É preciso pelo menos um grande zagueiro. Sorondo é uma aposta. Torço por ele, mas não sei se ele terá condições de jogar e de mostrar o futebol de sua fase pré-Inter. Então, que busquem um zagueiraço!

Eu sei que um investidor está disposto a bancar a contratação de Lugano. Mas o uruguaio está sendo sondado por outros clubes brasileiros, entre eles o São Paulo, que seria a sua preferência. Lugano seria perfeito.

E o meio? Douglas vai embora. Soube que ele rejeitou ir para o Palmeiras. Claro, com Felipão o furo seria mais embaixo. Jogador como Douglas Felipão leva na rédea curta.

O Grêmio deveria investir em Ibson, é o nome que me ocorre. Carlos Eduardo seria outro grande reforço

Paulo Pelaipe está trabalhando, mas o time que ele formou até agora não ganha é pra ganhar o Gauchão. E só.

INTER

No Inter, a impressão que se tem é que a direção está satisfeita com o time que tem para disputar a Libertadores. Dagoberto é uma excelente contratação, mas é preciso mais.

Os laterais são medianos, a zaga inconfiável. O ataque está ótimo e o meio é muito bom.

Sei que muitos colorados gostam de Kleber, mas a meu ver ele já deu o que tinha que dar. O ‘dono’ do seu passe, o empresário Sonda, quer colocá-lo em outro clube. Mas é difícil achar quem pague o que Kleber recebe no Inter. No final da história, ele acaba ficando, como aconteceu anteriormente.

Douglas e o Papai Noel

Douglas e o Papai Noel

É só o que faltava. Os empresários de Douglas lançaram uma nota para criticar a direção do Grêmio em relação a uma eventual prorrogação de contrato do jogador, que vence no final de 2012.

Reclamam que declarações recentes de Pelaipe foram “ríspidas e agressivas, além de opiniões pessoais e pouco profissionais”. Pelaipe, que não nasceu ontem, sabe que o grupo que representa Douglas está se esquivando.

O que os empresários querem é fazer a vontade de Douglas. E a vontade de Douglas é, mais do que jogar no Corinthians, sair do Grêmio. Douglas não quer mais saber do Grêmio.

Os empresários estão fazendo mais ou menos o que o sr. Assis Moreira fez no caso Ronaldinho, década atrás. Ficam enrolando, enrolando, à espera de que o Grêmio se canse e por fim libere seu representado por preço vil, abaixo do mercado.

A jogada é parecida com a que fazem os representantes de Montillo, no Cruzeiro. O meia argentino, estimulado por seu procurador, também quer jogar no Corinthians. Montillo é a prioridade do Corinthians. Douglas é segunda opção. Para Douglas, que quer porque quer sair do Olímpico, não interessa que ele seja o segundo da lista, e que ele só irá para o time abençoado por Lula, pela CBF, pelas empreiteiras e BNDES se a negociação com Montillo fracassar.

Então, trata-se de um jogo muito simples, que tem como síntese fazer a vontade do jogador em detrimento dos interesses dos clubes aos quais estão vinculados, com contrato em andamento, salários e tudo o mais em dia.

Os empresários estão na deles. Não entro no mérito da questão. Agora, o que eles não podem é baixar o pau na direção que insiste em continuar com o jogador, mesmo sabendo que ele só ficará contrariado, com mais dinheiro no bolso e ainda assim contrariado. E jogador contrariado é capaz de chutar pênalti decisivo lá na marquise da arquibancada ou ser expulso ‘de graça’ em algum mais importante, deixando o clube na mão.

O que os empresários não podem é criticar Paulo Pelaipe, querendo passar a impressão de que o dirigente é que será culpado se Douglar não ficar. Eles insinuam claramente que se não houver acordo será por culpa de Pelaipe. Se Pelaipe pegou pesado é porque ele sabe que está sendo vítima de embromação. O que ele fez? Denunciou essa enrolação.

Então, Douglas terá de se apresentar dia 4 de janeiro e se fizer corpo mole será afastado para treinar em separado. É o que promete Pelaipe, no que faz muito bem. Os jogadores conquistaram uma série de vantagens com a Lei Pelé, que de quebra está deixando cada mais ricos os intermediários do futebol. O mínimo, agora, é que o jogador cumpra seu contrato com ética e dignidade.

Não quer renovar para tirar vantagem logo adiante, tudo bem. Faça isso, mas seja profissional até o último minuto do seu contrato.

O problema é que não tem como esperar esse comportamento de Douglas e da maioria dos jogadores, ainda mais se tem empresário por trás louco para fazer transferências e receber polpudas comissões.

O que precisa terminar é essa máxima de que jogador quando quer sair ninguém segura. Acho que tem que segurar sim, fazer com que cumpra o contrato até o fim, a não ser, é claro, que o clube tenha algum ganho expressivo em cima do rebelde.

Concluindo: acho que Pelaipe está conduzindo bem essa história envolvendo Douglas. Ele quer ampliar o contrato do jogador, que se esquiva, porque espera pelo Corinthians outro grande clube de São Paulo ou Rio.

Se não houver entendimento, Douglas, que já é um tanto roliço, fica sem jogar e em seis meses estará gordo igual a um Papai Noel sem a barba branca.

VICENTE

Faleceu o zagueiro Vicente. Ele estava no Santos quando Pelé se despediu na Vila Belmiro. Depois, veio para o Grêmio, onde se tornou três vezes campeão gaúcho. Ele jogou ao lado de Oberdan em 1977, quando o Grêmio interrompeu a hegemonia colorada no Gauchão. Pouco tempo atrás e o vi num programa de TV. Estava envelhecido, parecia mesmo muito doente. Cheguei a duvidar que era o mesmo Vicente. Era um profissional sério, bom zagueiro. Convivi com ele de 1979 a 1981, como setorista do Grêmio. Só por ter ajudado a quebrar aquele ciclo de vitórias coloradas merece todas as homenagens do Grêmio.

PRESENTE

Ainda envolvido com a busca de meus documentos, mas já com o carro recuperado (voltou com uma leve batida na dianteira), comemoro um presentinho de Natal: Escudero não fica. Parece que ele vai jogar seu futebol dispersivo e improdutivo no Atlético Mineiro.

Jogador desse tipo não pode ficar no grupo, porque ele acaba jogando. Melhor assim, que seja feliz.

Bem, feliz Natal a todos.