Feliz festas aos botequeiros e botequeiras

A todos que frequentam este boteco um Feliz Natal e um 2014 pleno de realizações.

Estou saindo para descansar um pouco.

Férias coletivas no Boteco.

Agora, quem quiser postar algum comentário é só mandar para o meu email.

Talvez eu escreva alguma coisa antes da Virada.

Pra que ninguém fique de olho grande, prometo que manterei o Boteco aberto mesmo ganhando a Mega da Virada, que, como todos nós sabemos, irá para algum pequeno município do sertão.

Mesmo assim, não deixo de apostar.

Afinal, como dia o sempre Plantão das Multidões, o gremistão Antônio Augusto, ‘fora do jogo não há salvação’.

Se há ou não salvação, não sei, mas sempre que posso faço o meu joguinho.

Se eu ganhar sozinho, vou investir em alguns jogadores de ‘talento’. Por exemplo, Marco Antônio e Léo Gago, entre outros. Compro todos eles e empresto para o Inter, de graça.

É isso, boas festas a todos vocês que me motivam a seguir escrevendo.

Ah, bebam com moderação, lembrando sempre que a vida segue.

E que é bom viver, mesmo sem título há doze anos.

OBS –  A foto que ilustra este post foi tirada em Lisboa, autoria do Mario Westphalen. É a 1983 ganhando o mundo.

Edinho, Renato e as cadeiras fantasmas

Ainda intrigado com a contratação de Edinho, decidi buscar informações para saber por que a direção gremista decidiu investir no volante.

Além de ser um jogador questionado, Edinho já não é mais guri. Completa 31 anos em janeiro.

Diferente do que eu imaginava, o técnico Enderson Moreira não indicou o ex-volantão colorado. Foi informado e aprovou a vinda.

A decisão foi do núcleo forte da diretoria, a partir do entendimento que o Grêmio precisa mesmo de um jogador com o perfil de Edinho: liderança dentro de campo, capacidade de marcação e de ‘chegada’ na arbitragem.

Com Edinho, os dirigentes avaliam que os meias poderão ficar mais liberados para atacar, para chegar ao ataque sem tanta preocupação em marcar, como aconteceu neste ano.

Teremos, portanto, um Grêmio mais leve e atrevido do meio para a frente. Talvez com isso Barcos volte a ser goleador.

Nesse aspecto, passo a concordar – não que isso tenha alguma importância – com a contratação de Edinho, que está na origem de uma nova formação tática do time.

Contribui para a minha mudança de atitude em relação a Edinho o fato de que o Grêmio teve dois volantões de muita raça e dedicação quando foi campeão da Libertadores: China e Dinho.

É preciso ser considerado, ainda, que a troca de camisa de Edinho irrita e preocupa a maior dos colorados, da mídia e fora dela.

Fora isso, tenho uma quedinha por cabeça-de-área competente.

RENATO

Em minhas andanças, acho que descobri a verdade sobre a saída de Renato. Não foi só pelo dinheiro. Na real, o dinheiro ficou em segundo plano.

Renato aceitaria continuar por um salário mais próximo do teto do clube. O que mais pesou para o desacerto foi saber que não haverá grandes investimentos em jogadores diferenciados em função do custo.

Renato, então, lembrou que saiu meio chamuscado do Grêmio em 2011 porque não foi formado um time à altura da grandeza da Libertadores – Jonas inclusive foi embora.

O grande ídolo de parte da torcida gremista refletiu e concluiu: não vou me queimar de novo.

E partiu para outra.

ARENA

Coloquei no tuíter, sábado, uma informação que exclusiva – mais uma, a anterior foi a notícia sobre Marseredian – que será notícia nos próximos dias na mídia formal.

Sabem aquelas 1.400 cadeiras fantasmas? Pois o Grêmio, depois de uma árdua negociação com a OAS, conseguiu ressarcimento.

A empreiteira vai pagar R$ 10 milhões em troca das cadeiras prometidas e não entregues.

Quer dizer, aos poucos as coisas vão se ajustando.

WELLINGTON PAULISTA

Se o Grêmio amontoa volantes, o Inter amontoa centroavantes.

Juntando He-Man, Scocco e W. Paulista não dá um Leandro Damião da fase pré-propostas milionárias que nunca se confirmaram mas que abalaram o jogador.

Agora, W. Paulista é um perigo. Não tem jogo que ele não marque gol no Grêmio.

Renato tentou ser moderno no Grêmio

Mauro Pandolfi dá outra excelente contribuição ao Boteco, que é mais liberal que baile funk e ‘zona’ de cidade do interior.

Acompanhe, é longo mas vale a pena. Ah, concordo com a análise que o Mauro faz sobre a passagem (vitoriosa) de Renato por aqui. O tempo vai provar o quanto Renato acertou em sua proposta de futebol:

“É um texto tardio. Relutei em enviá-lo. Mas… vamos lá!

O Ilgo perguntou algo sobre Renato. O que ele fez? Uma coisa assim. Poxa! Juntei os meus botões, li textos, parei, reli, tentei analisar, reanalisar o Grêmio de 2013. Dida foi discutido o ano inteiro. Ora, falhava e Marcelo Grohe ressurgia. Quando salvava, tornava-se personagem do gênio-idiota da penúltima página. Pará foi tosco, bisonho e Alex Telles – ganhou a Bola de Prata e eleito o melhor do Brasileirão – não sabia cruzar.

Sacrificamos zagueiros a temporada toda. Salvou-se Rodolfho. Quando Fernando foi embora – sofreu com várias críticas neste boteco – abriu-se um caminho antes nunca percorrido. Entraram vários. Adriano sucumbiu com sua limitação. Sousa, Riveros e Ramiro tentaram suprir a ausência com dedicação, qualidade tática e técnica. Porém, foi difícil ser volante meia o tempo todo.

Zé Roberto e Elano provocaram duelos verbais neste espaço. Foram mais eficientes fora do que no campo. Os guris, tentaram, apagaram, não deixaram rastros. Onde estão os Bitecos e o Calyson? E, o ataque! Ataque? Existiu? Deram uma frota por Barcos que naufragou. Era o craque, foi tratado como tal, o símbolo de uma era. E, do pirata sobrou apenas o tapa olho, o olho de vidro e a caveira. E, a perna de pau? Não vou fazer esta maldade.

O gladiador bateu, caiu, deu bundada, caiu, brigou, caiu, xingou o juiz, caiu, chutou, caiu. Foi assim o ano inteiro. O veloz, criativo Vargas fez turismo em Porto Alegre. Máxi virou esperança. Lucas Coelho, Mamute, Paulinho foram motivos de piadas, chacotas, culpados pela eliminação da Copa do Brasil neste boteco. Sobrou pouco, muito pouco, quase nada no elenco do time. É isto que deduzi pelas colunas, comentários, pitacos neste espaço.

Agora, o time? Foi do moderno, ao comum, passou pela falta de padrão e acabou na retranca. Um sistema que preferia defender, utilizando triangulações pelos lados, com cruzamento medidos. Alguns – poucos, verdade! -, viram assim. A maioria enxergou um time mal escalado, defensivo e só atacava a base do chutão. Um timeco igual aquele da turma do lago.

Na segunda-feira acompanhei o julgamento da virada de mesa. Pelo que li no boteco, achei que o tricolor beneficiado era o Grêmio. Mostraram a tabela na tevê. Nós fomos vice-campeão! Segundo! Tratamos o nosso time como se fosse rebaixado ou segurado numa ponte que quase partiu.

O que queremos? A Arena parecia um estádio europeu, lotado, com cânticos, vaias. Parecíamos o Bayern ou o Barcelona. Nunca vi Messi ou Ribery. No banco não estava Guardiola ou Mourinho. Na arquibancada, aqui no boteco, eramos torcedores destes times. Cobramos, exigimos desempenho na altura de Barcelona e Bayern. Estamos longe, muito longe, distante demais. Quero título. Mas reconheço os nossos limites.

Renato é o meu ídolo. O ponta moderno, destruidor é o meu preferido da história gremista. Aprendi a gostar do treinador. Não é um mero motivador. Está em transformação. Mudou muito nas duas passagens. Mostrou-se mais tático. Fez um trabalho espetacular no Grêmio.

Entretanto, leio nos blogs, nos comentários, nas colunas, escuto nas rádio, críticas exacerbadas sobre o trabalho. Não treina e levou um nó tático de vários técnicos. Mancini, disseram muitos, foi um deles. Na decisão contra o Flamengo, a câmera flagrou Mancini orientando o time: “Vamos, porra!!” Ótimo, este Mancini! Péssimo o Portaluppi e sua falta de esquematização. Renato tornou-se um pária nos comentários. Um Celso Roth – este, também, exageradamente demonizado – com grife. Ele nos deu uma bela lição na carta de despedida. Agradeceu, nos elogiou e disse até algum dia. Nós, os gremistas, estamos dizendo: “até nunca”! Boa sorte, Renato.
Não conheço Anderson Moreira. Estou como um gremista goiano quando o Grêmio buscou o Silas. E, Silas era ótimo. Não suportou a pressão, o desespero, a intolerância e o mau humor dos gremistas. Perdeu-se e foi devorado, sem dó, nem piedade.Tenho confiança no Moreira. Espero que a direção, também, tenha confiança. Boa sorte, Moreira!

A vida, meu caro Ilgo, tem as pequenas alegrias. A felicidade está no sorriso do filho, no beijo da mulher amada, na derrota de um canalha. Torci pelo Raja. Vibrei com a vitória. Porém, fiquei impressionado com a idolatria do Ronaldo Assis. Nunca tinha visto isto. A derrota do Galo é um recado ao futebol brasileiro. Estamos longe, perdido no tempo e espaço, suspiramos por um futebol ultrapassado, equivocado e sem futuro.

Renato tentou ser moderno no Grêmio. Compactou o time, armou triangulações, buscou velocidade e esbarrou “nos detalhes tão pequenos” do ataque: os gols que Barcos, Kleber e Vargas sonegaram.

Sonhamos, ainda, com um dez. Estão por aí. Ganso, Zé Roberto, Ronaldo Assis encantam. Não participam do jogo, flutuam, aparecerem, somem e escondem-se nos momentos decisivos. Não há mais lugar para o velho dez. O jogo pede intensidade, bravura, empenho e decisão. O time precisa de um jogador de noventa minutos. O de um lance só, acabou. Você só o encontram nos livros antigos, nos velhos manuais ou na memória de um saudosista. O tempo é devastador. Nada sobra quando o novo sai debaixo do sol. Agora, o velho dez só é destaque nos jogos perdidos do you tube. Cruel? Sim, muito cruel! Mas, é o futebol, a vida.

Estou saindo de férias. Um Feliz Natal para todos os botequeiros e um 2014 vitórioso para o nosso Grêmio. Tenho fé, esperança no renascimento do futebol. Agradeço o espaço, as palavras, os comentários sobre meus texto. Obrigado!”

MAURO PANDOLFI

Mahrseredjian confirmado: o Boteco já sabia

Quem frequenta o Boteco sabe antes. No dia 13, enquanto parte da mídia perdia tempo com Paulo Paixão, eu fui atrás da informação correta, quente, e descobri que Fábio Mahrsededjian estava sendo contratado pelo Grêmio. Quando escrevi a notícia faltavam alguns detalhes.

É um grande preparador físico. Este sim um grande reforço, um nome à altura dos desafios de um grande clube, de um clube que irá disputar a Libertadores.

Notícia publicada nesta tarde pelo Grêmio:

http://www.gremio.net/news/view.aspx?id=16931&language=0&news_type_id=4

Texto publicado aqui no dia 13:

http://botecodoilgo.com.br/?p=3770

Biscateiro de pequenas alegrias

Eu ando me sentindo como o biscateiro da minha zona. Ele vive de pequenos serviços para sobreviver. Arruma um trabalho aqui e outro ali, e vai levando a vida.

Hoje, sou um biscateiro emocional, ao menos no futebol. Vivo, ou sobrevivo, de pequenas alegrias.

São pequenos momentos que me deixam muito feliz, eufórico até.

São momentos que fazem-me acreditar que posso deixar as trevas de frustrações onde mergulhei nos últimos doze anos para ganhar a superfície luminosa das vitórias e das grandes conquistas.

Assim, quando o Grêmio belisca um título importante, conquistando um vice com muito sacrifício, jogando com bravura e indignação que sobravam na década coruscante de 90 e que Renato conseguiu resgatar, embora sem o mesmo futebol rutilante daqueles anos, eu sinto essa pequena alegria.

Agora, quando esse lampejo de felicidade é seguido de ações que apequenam o Grêmio com a desculpa de que não há dinheiro – e daí, nunca houve mesmo e ainda se esbanjou dinheiro como se as cédulas nascessem em pés das pitangueiras que abundam, ops, em Porto Alegre – aí  a depressão é inevitável. No meu caso, depressão acompanhada de revolta e indignação.

Foi tão difícil conquistar a vaga direta na Libertadores que é revoltante ouvir as vozes conformadas que oriundas do velho Olímpico dos discursos inflamados de um Hélio Dourado e até mesmo do Fábio Koff denunciando o esquema Parmalat, hoje anunciar um técnico sem a estatura de um clube que sempre entra – ou entrava – na Libertadores para brigar, e brigar mesmo, pelo título.

Quando aquele Grêmio do Felipão seria expelido da Libertadores da maneira apática como ocorreu neste ano com o glorioso Luxemburgo? Nunca. Jamais. Não aquele Grêmio.

A vida é mesmo como uma montanha russa. Em meio ao processo depressivo, eis que o Raja Casablanca me surpreende e elimina o time do RG. Quando liguei a TV, não sabia o resultado: só deu tempo de ver a bola chutada entrando e o narrador dizendo que o jogo estava em 1 a 1.

Vibrei no fundo do abismo emocional onde me encontrava. E parei para ver o resto do jogo. RG deu um balãozinho tipo foca amestrada no meio do campo, bem longe da área. Depois, errou meia dúzia de passes seguidos. Cada erro, um sorriso meu.

Por outro lado, o ‘Montauri’ acabava com o jogo com vitalidade, categoria, visão de jogo, talento.

No final, a derrota de RG. Só não fiquei mais feliz porque a imagem do Cuca com expressão de incredulidade e frustração foi tocante.

Mesmo assim, foi mais uma pequena alegria.

Uma alegria que aumentou quando o narrador da TV lembrou Mazembe e Inter em 2010, esta sim uma imensa alegria, tanto que criei as cervejas Mazembier e Kidiaba.

O fato é que o narrador foi cruel, muito cruel com os colorados.

Mas foi outra pequena alegria, talvez a última que terei no futebol por um bom tempo.

Grandes alegrias, então, só por milagre.

Não dizem que acontecem milagres no Natal?