O mago Felipão e o milionário Luxemburgo

A Seleção Brasileira me surpreendeu. É o que me resta dizer depois de profetizar que o time montado por Felipão não teria futuro jogando com três atacantes e apenas dois marcadores de ofício no meio de campo.

Cheguei a escrever que Scolari deveria voltar a ser Felipão, aquele que foi campeão do mundo com três zagueiros, marcação forte no meio.

Pois Felipão, que às vezes parece um mago, mostrou que é possível ser campeão com um esquema mais ‘faceiro’, conforme eu e muitos definiram.

Felipão pegou o amontoado que Mano Menezes deixou e o transformou numa equipe.

Hoje, contra a Espanha, foi a prova de fogo. E o Brasil passou com folga ao bateu a Espanha por 3 a 0, com direito a gritos de olé e show de bola.

Feito o elogio e destacada a minha avaliação equivocada, pelo menos até o momento equivocada, vamos aos ‘poréns’ e ‘todavias’.

Não gosto dos dois laterais da Seleção. O Marcelo é pior que o Daniel Alves. Mas, e aí está o preocupante da coisa, não sei se tem melhores para as posições.

Luxemburgo, o desempregado mais feliz do país, por certo levaria o Pará para a direita e o Fábio Aurélio para buscar a recuperação na Seleção.

Outro que não merece ser titular: Hulk. Contra a Espanha ele até foi bem, mas acho que o banco de reservas estaria de bom tamanho pra ele.

No mais, a Seleção começa a ficar dependente de Neymar. Em poucos jogos, Neymar mostrou aos renitentes que é craque mesmo.

Neymar participou dos dois gols de Fred e ainda marcou um golaço.

Sei que os abutres da opinião secaram o Brasil só para poder dizer depois ‘viram?, onde está o Neymar agora?’.

Neymar está aí.

Posso imaginar a alegria da torcida do Barcelona e de seus dirigentes.

Já o pavor estava estampado no rosto dos jogadores espanhóis que defendem o Real Madrid e que viram, de muito perto, do que esse guri é capaz.

DUELO

Responda depressa: quem venceria um duelo de pênaltis entre Forlan, que não acerta um, e Dida, que não pega nada?

É briga de foice no escuro.

LUXEMBURGO

Final da tarde de sexta-feira, após o treino recreativo, Marcos Chitolina, assessor de futebol, o elo entre a presidência e o vestiário, disse a Luxemburgo que o presidente havia determinado que o glorioso Welliton – aquele que veio sem ter chegado – não deveria entrar no amistoso do dia seguinte, sábado, contra o Caxias, porque havia forte possibilidade de o Spartak pedir o seu retorno – para alívio da nação gremista.

Luxemburgo teria dito que só aceitaria ordem direta do presidente, não de seu emissário.

Ao ser informado do ocorrido, Koff decidiu pela demissão imediata de Luxemburgo – aquele que sequer deveria ter sido contratado.

Resolvida a encrenca com a OAS, Koff passou a cuidar mais do futebol.

Koff queria forçar Luxemburgo a pedir demissão, fechando a torneira e vetando iniciativas do técnico, mas não suportou essa desfeita.

Luxemburgo percebeu a jogada e reagiu, conseguindo o que queria: a demissão.

Assim, de clube em clube, de fracasso em fracasso – apenas como técnico de futebol, ressalte-se – Luxemburgo vai ficando mais rico, cada vez mais rico.

FELIPÃO

E pensar que no final do ano passado, a maior parte do torcida queria Luxemburgo e não Felipão.

Para evitar a vitória de Koff na eleição, a situação espalhava que Koff não ficaria com Luxemburgo e traria de volta Felipão.

Koff teve de vir a público anunciar que manteria Luxemburgo – até porque já sabia que Felipão voltaria à Seleção – para não perder a disputa.

QUEM VIRÁ?

Entre os nomes citados sou mais o Renato Portaluppi. Claro, antes o Muricy, mas ele estaria enfrentando dificuldades pessoais para deixar São Paulo.

Cristóvão ainda não tem currículo, é um noviço.

Adilson Batista, que tem trajetória irregular, traz na bagagem aquela campanha excelente na Libertadores de 2009, quando foi vice da Libertadores com o Cruzeiro, que tinha Kleber de atacante.

Sei que ele tem admiradores influentes na direção.

Não será surpresa se ele for anunciado.

O importante é que o Grêmio contrate um treinador em condições de brigar pelo título da Copa do Brasil, que é menos difícil de conquistar que o Brasileirão.

Caiu quem nem deveria ter vindo

Saiu aquele que nem deveria ter vindo.

Fui contra a contratação de Vanderlei Luxemburgo e fui contra também à sua renovação de contrato, mesmo quando grande parte da torcida gritava o ‘fica’.

Acabei admitindo a renovação porque dela dependia a eleição de Fábio Koff, e isso para mim estava acima de qualquer outra coisa diante do momento de transição do clube.

Não tenho qualquer dúvida de que o Grêmio estaria hoje em situação ainda mais delicada se o ex-presidente fosse reconduzido.

Aguardo agora o anúncio do nome do novo treinador.

Tanto faz quem vem. O que importa é quem saiu.

Tudo vai melhorar a partir de agora, com o vestiário mais arejado e higienizado.

Meu palpite é Cristóvão, a quem conheci como setorista do Grêmio nos anos 80.

É um técnico sem os vícios da profissão, um iniciante já com bom resultado ao pegar um Vasco em crise.

Cristóvão vale a aposta.

Agora, também acho Renato Portaluppi uma ótima escolha. Sei que muita gente não gosta dele, mas eu e mais uns poucos sabemoa valorizar o EXCELENTE trabalho que Renato fez no brasileirão de 2010.

Confio em Koff.

CAUSAS

Além dos maus resultados e, principalmente, do futebol instável do time, o que pesou para a queda: o pouco trabalho nesse período de pausa; a insistência com Wellinton – a escalação dele como titular foi considerada uma afronta ao próprio presidente Koff – e, agora por minha conta, esse treino físico com o uso de radar, uma coisa exótica, ridícula, ainda mais sem azulzinho para multar. E, pior ainda, nenhum jogador foi flagrado em excesso de velocidade, pelo contrário.

Estou brincando sobre esse tipo de treino, mas não duvido que tenha pesado.  Treino com radar…

Outra coisa que pode ter pesado. Luxemburgo, todos sabem, queria fazer a intertemporada no Paraná ou algo assim. O Grêmio firmou posição e manteve o trabalho aqui, até por questão financeira. Assim, o técnico ficou aqui trabalhando talvez de má vontade, e muito pouco, segundo avaliação feita pela diretoria, que se sentiu afrontada também aí.

IMPRENSA

Presidente Koff ao ser questionado sobre a situação financeira do clube – que em função disso relutava em demitir o técnico – disse que estranhava muito que a imprensa regional e nacional só destacam o Grêmio como clube com finanças abaladas. “Não leio nada sobre os outros clubes, que estão em situação igual”, observou.

ROGER

Koff disse que Roger fica como interino. Elogiou muito o ex-jogador.

Mas é certo que o Grêmio busca – sem pressa, segundo o presidente – um novo treinador.

Penso que o perfil deva ser de um treinador bom em mata-mata.

A Copa do Brasil é o título mais ao alcance.

Scolari precisa voltar a ser o velho Felipão

A Seleção penou para bater o Uruguai, considerado um time velho, com jogadores superados.

Eu gostaria de ter o superado Lugano na minha zaga.

Ele não é mais o mesmo de alguns anos atrás. Ninguém é o que foi alguns anos atrás. Todos mudam.

Antes do jogo, havia gente prevendo que Lugano pagaria todos os pecados com Neymar. Não foi o que se viu.

Há quem goste de jogadores como Davi Luiz, afoito na maioria dos lances. Cometeu um pênalti ridículo como foi o de Cris contra o Santa Fé ou o de Rafael Moura, que deu uma cortada na área dias desses. Ah, o pênalti de Davi Luiz, que me lembra muito o chileno que jogou no Grêmio na década de 80 ou 90, o  Astengo, foi sobre ele, Lugano.

Aí, Forlan bateu o pênalti. Telegrafou, talvez pensando que Dida fosse o goleiro. É só chutar que é gol. Mas era Júlio César, que avançou demais e defendeu.

Não fosse esse gol perdido por Forlan, a história do jogo poderia ser muito diferente.

Fred fez o gol após grande lançamento de Paulinho, pra mim o melhor e mais regular jogador do Brasil, com grande lance de Neymar. A bola sobrou para Fred, que deu de casquinha na bola, não sei se pegou mal na bola ou se foi de propósito. Tenho minhas dúvidas. No lance, Lugano se jogou e por pouco não evitou o gol.

Depois, quando o jogo se encaminhava com justiça para os pênaltis, Paulinho fez 2 a 1.

Agora, Brasil espera por Itália ou Espanha.

Confesso que, como a imensa maioria, espero que vençam os espanhóis. Será sensacional poder assistir ao duelo do Brasil de Felipão com a esquadra espanhola.

Se Felipão insistir nesse esquema com 3 atacantes, vai levar uma lambada.

Sei lá se ele quer agradar o pessoal do centro do país, que gosta de um futebol mais faceiro.

O fato é que o time melhora sempre quando entra Hernanes, um volante/meia, que marca e sai para o ataque com qualidade, e que ainda por cima permite que Paulinho, o volante goleador, chega mais na frente.

Então, Hernanes deveria ser titular, saindo Hulk, que é bom jogador, mas sem a mínima condição de ser titular, a começar porque parece um jogador daqueles um tanto burrinhos, com pouca lucidez.

Oscar, que é um meia de muita qualidade, não está mostrando personalidade suficiente para ser o articulador do time.

E pensar que li e ouvi gente dizendo que a camisa 10 deveria ser do Oscar, que ele inclusive seria mais importante para a Seleção que o Neymar.

O fato é que Scolari deve voltar a ser Felipão e parar com essa frescura de 3 atacantes.

Está mais do que evidente que o sistema defensivo brasileiro é muito vulnerável.

Se jogar assim contra a Espanha…

ADRIANO

O Kajuru revelou por que o Inter desistiu de Adriano. Ontem, dia 25, ele havia prometido que contaria a verdade sobre o negócio desfeito. Hoje, ele cumpriu o prometido.

Segundo Kajuru, independente da avaliação clínica ou de questões financeiras, o que realmente pesou é que o Inter descobriu que Adriano continua o mesmo.

Kajuru até usou a expressão ‘cachaceiro’.

A CBF terá de arrumar outra barriga de aluguel.

Kajuru e a verdade sobre Adriano/Inter

No final da noite de ontem, dia 25, controle remoto na mão, paro no canal 11.

Dou de cara com o Kajuru, sempre polêmico e cada vez mais magro e enxergando menos – ele usa óculos daqueles com lente de fundo de garrafa.

Naquele exato momento ele estava terminando seu programa e chamando para a atração do dia seguinte, que, por coincidência, é hoje.

Ele fala com aquele seu jeitão:

– Amanhã por causa do jogo, o programa começa mais tarde, às 23 e 30. Não percam, vou revelar por que o Inter não quis ficar com o Adriano. Vou contar toda a verdade, não tem nada a vem com avaliação médica.

Pois eu fiquei curioso.

Quem me acompanha sabe que informei há poucos dias que a vinda de Adriano para o Inter era uma jogada da CBF, iniciativa do trio Felipão-Paixão-Parreira, com apoio meio contrariado do Dunga, que não pode recusar um pedido do trio maravilha.

Estava tudo encaminhado. Aconteceu alguma coisa. Vou aguardar ansioso o programa do Kajurú.

Mas, sinceramente, gostaria que algum repórter gaúcho furasse o Kajuru e informasse o que realmente aconteceu para Adriano não vir.

CERVEJA

Eu e outros produtores de cerveja artesanal, como os Irmãos Ferraro – fazem uma cerveja espetacular – vamos fazer uma passeata diante do Beira-Rio para protestar contra a não vinda de Adriano. Nós já estávamos ampliando a produção de cerveja.

É possível que as meninas da Tia Carmem e os donos de casas noturnas também participem da mobilização.

URUGUAI

O parceiro cortenadorw pegou bem. Para a imprensa gaúcha e acho que também brasileira, o Uruguai era uma cavalo cansado. Um time velho, superado.

Pois bastou o Uruguai aparecer como adversário do Brasil, que tudo mudou.

Só ouço elogios aos uruguaios.

Pois hoje saberemos o quanto esse time dos irmãos uruguaios está cansado.

Se tivesse que apostar, jogaria no empate.

Mas isso se a arbitragem não favorecer o Brasil como fez contra a Itália.

Desconfio que o Lugano sairá muito valorizado desse jogo.

Lugano, a Seleção Brasileira e Adriano

Devagar, o Uruguai foi chegando. O Uruguai tem Lugano, o zagueiro que o Grêmio tentou contratar e, até onde sei, ainda não desistiu.

Lugano não é mais o mesmo. Não tem a mesma vitalidade, mas ganhou experiência.

Li e ouvi críticas à zaga uruguaia. Coisa de gente que ficou impressionada com a estreia, 2 a 1 para a Espanha.

Lugano não foi bem, mas ninguém do Uruguai foi bem diante do poderio da armada espanhola.

Aparentemente há uma tentativa de desconstruir o grande líder uruguaio.

Podem dizer o que quiserem, mas eu continuo acreditando que Lugano seria um grande reforço, mas é claro que tudo depende dos valores envolvidos.

Quanto a isso, sugiro negociar Cris, que estaria interessando a um clube francês, e Wellinton. Isso só para ficar nos mais caros. O dinheiro colocado fora nesses dois seria aplicado em Lugano.

O fato é que o Uruguai da zaga ‘inconfiável’ levou 3 gols, um a menos que o Brasil. Mas desses 3, 2 foram sofridos contra a Espanha. A zaga ‘eficiente’ do Brasil levou dois na competição, ambos contra a Itália. Quando a Itália foi para o ataque mesmo, a defesa brasileira mostrou que é uma peneira.

A vitória só foi conseguida com ajuda da arbitragem. Aliás, como as arbitragens beneficiam o Brasil, e isso há muito tempo, principalmente em Copa do Mundo.

A defesa menos vazada é a da Espanha, um gol apenas – contra o Uruguai.

Agora, teremos o festejado Brasil contra o desacreditado -já nem tanto- Uruguai.

Jogo difícil.

Se a arbitragem não interferir, acredito num empate, com Lugano garantindo atrás e quem sabe marcando outro golzinho para desespero de seus críticos.

Vou torcer pelo Brasil, algo que pouco faço.

Estou louco para ver Brasil x Espanha.

ADRIANO

Não adiantou a comissão técnica da Seleção Brasileira garantir que Adriano não teria mais que se preocupar com o tendão de aquiles. Aliás, nem eu, que não sou médico, acreditei no Runco e cia. Os médicos do Inter foram lá conferir de perto e, ao que parece, não aconselharam o negócio.

A desculpa é que o tempo para recuperação seria longo, mais de um mês. Mas isso eu e toda a torcida do Flamengo já sabíamos. Fico intrigado pelo Inter ter levado isso adiante.

Claro, houve o pedido da CBF, avalizado pelo Dunga e pelo Paixão. Desconfio que o Inter levou a história adiante para não ferir suscetibilidades rejeitando o negócio assim de pronto, sem ao menos fazer de conta que tentou.