André Lima imita Ronaldinho

Imperdível! Confiram o link abaixo. André Lima, eleito autor do melhor drible da rodada (quem diria?), faz festa com a torcida depois do jogo e imita a dança de Ronaldinho. O maior deboche.

André Lima, depois dessa, tem que renovar contrato.

http://globoesporte.globo.com/platb/meiodecampo/2011/10/31/andre-lima-parou-na-esquina-apos-vitoria-do-gremio-sobre-o-fla/

CARTOLA

Sacanagem, meu time, o Todo Poderoso Alfredo, segue na zona do rebaixamento na liga do Boteco. Vai ter virada de mesa.

Ronaldinho cai de quatro no Olímpico

A dívida ética e moral de Ronaldinho com o Grêmio e sua torcida é impagável. Como dizia uma das faixas ‘ofensivas’ que entraram no estádio, apesar da Brigada Militar, nem 100 anos serão suficientes para perdoar a traição.

Mas cada parcela que for quitada irá proporcionar uma alegria indescritível ao torcedor, uma sensação de alma lavada e enxaguada, como repetia um antigo personagem do Chico Anísio.

Foi assim que me senti ao final da sensacional virada do Grêmio sobre Ronaldinho (sim, Ronaldinho, o adversário não era o Flamengo), chegando aos 4 a 2 depois de começar perdendo de 2 a 0.

Ronaldinho teve chance de se recuperar do golpe aplicado dez anos atrás, mas optou por enganar mais uma vez o clube que um dia foi a sua casa, o seu lar, o lugar onde deu os primeiros passos na vida e no futebol.

Em troca, Ronaldinho tem hoje o repúdio e o desprezo da imensa maioria dos gremistas. E isso ficou bem claro hoje, para o Brasil e para o mundo. A torcida gremista colocou para fora a sua indignação, sua revolta, sua raiva. Mas só teve sucesso total em seu objetivo de humilhar seu antigo ídolo porque encontrou no time um parceiro aplicado, um cúmplice.

As vaias, as palavras e frases ofensivas, os gritos, os cantos, nada disso teria maior consequência se os 90 minutos do jogos fossem como os primeiros 45. O protesto ficaria quase sem sentido. Ronaldinho deixaria o campo vitorioso, vaiado, mas vitorioso.

A torcida fez a sua parte, foi magnífica, inclusive por resistir à tentação de aplicar um corretivo mais forte sem inimigo público número 1, o que resultaria em penalização ao clube.

O que eu sinceramente não esperava é que o time conseguisse levar para dentro de campo o sentimento de dor, de mágoa, de rancor de cada um dos 45 mil torcedores que foram ao Olímpico nesse domingo iluminado, inesquecível.

O tão criticado time do Grêmio foi heróico. Não tenho dúvida de que cada jogador jogou não apenas por si. Jogou também pela torcida. O time jogou irmanado com a torcida. E por isso conseguiu reverter um resultado que seria trágico para o torcedor, e uma benção para o alvo de tanta raiva.

Portanto, além de homenagear a grandiosa torcida gremista, quero parabenizar cada um dos jogadores gremistas, sim, jogadores gremistas. Hoje, eles não foram simplesmente jogadores do Grêmio. Foram jogadores gremistas. É uma baita diferença.

OS 14 GREMISTAS EM CAMPO

Começo pelo VICTOR. Foi ele quem evitou o gol de Ronaldinho numa cobrança de falta logo no começo do jogo. Quer dizer, o odiado Ronaldinho por detalhe não fez o seu gol no dia do reencontro nada amigável com a torcida. Seria demais, seria insuportável. Graças a Victor, o gol de Ronaldinho não aconteceu. A bola ainda bateu na trave.

MÁRIO FERNANDES ficou com a carga mais pesada. Impedir jogadas do vilão da tarde. Foi determinado, incansável. E ainda buscou atacar. Teve participação no primeiro gol de André Lima, um gol mais do que oportuno, porque marcado pouco antes de o time ir para o vestiário no intervalo.

SAIMON foi talvez quem mais incorporou a sede de vingança da torcida. Aquele pontapé por trás na canela de Ronaldinho, na linha do meio campo, custou-lhe um cartão amarelo e mais adiante a substituição. Mas ele ganhou mil pontos perante os gremistas de todas as querências.

RAFAEL MARQUES esteve perdido como todo o sistema defensivo no primeiro tempo. Até por culpa de uma proteção frágil dos meio campistas. No segundo, ao lado de Gilberto Silva, ele cresceu e não deixou mais ninguém dar toquezinho em sua frente.

O lateral JÚLIO CÉSAR fez algumas belas jogadas, apoiou e apareceu como opção para o meio de campo, marcou e lutou como um abnegado gremista. Está completamente identificado com a causa tricolor. Só faltou entrar em campo com a faixa ‘pilantra’.

GILBERTO SILVA rende mais como zagueiro. Se o suficiente para ser titular, não sei, mas ele como volante já não tem a pegada necessária. Celso Roth ajeitou a marcação ao colocar Gilberto na zaga, sacando Saimon, e escalando Adilson ao lado de Fernando, dois jogadores que mordem e que brigam pela bola como se lutassem pela vida. Gilberto tem ainda o mérito de evitar um gol de Ronaldinho, corrigindo uma falha sua mesmo no meio de campo.

FERNANDO é outro que parecia um torcedor dentro de campo. Jogou com o coração, com a alma, e com o talento que é lapidado a cada jogo. Ele e Adilson deram a proteção necessária à zaga, ergueram uma muralha diante da área. Além de marcar com eficiência, ainda tocou a bola com lucidez para puxar contra-ataques.

MARQUINHOS foi irregular como na maioria das vezes, mas dessa vez foi mais interessado, com certeza por se sentir, como os demais, um porta-voz da torcida no gramado. Vontade para vencer não lhe faltou. Roth poderia tê-lo substituído, mas optou por Escudero. Uma decisão que não contesto.

ESCUDERO foi incansável também. Mas tão irregular quanto Marquinhos. Alternou boas jogadas com lances bisonhos, como o gol que perdeu depois de receber um passe primoroso de Douglas. Ele entrou livre e tentou desviar do goleiro, que foi muito bem na bola. No rebote, Escudero poderia ter feito o gol se não fosse tão afoito. Mas foi um jogador incansável, muito útil. Deu calor na zaga flamenguista.

DOUGLAS foi o destaque técnico do jogo. Mesmo nos piores momentos, como no primeiro tempo, ele soube manter a tranqüilidade, que algumas vezes se confunde com desinteresse. Douglas foi o nome do jogo. A cereja do bolo de sua atuação foi o golaço, o terceiro, aquele que encaminhou a vitória e, o que é muito importante, deixou Ronaldinho com cara de bunda, captada num close da TV na saída de bola. Isso não tem preço.

ANDRÉ LIMA é um caso à parte. Quando a auto-estima gremista estava lá embaixo, ele achou um gol. Recebeu de costas e, ao estilo Borges, virou sobre o zagueiro e chutou cruzado. Depois, quando o Grêmio dominava e encurralava o Flamengo (que estava cansado, sem fôlego, sem pernas), André Lima lembrou Jonas. Recebeu na frente da área, deu um toque entre as pernas do zagueiro e meteu a bola no canto esquerdo, com categoria, com lucidez. André Lima, quem diria?

Mas havia outra surpresa na tarde em que Ronaldinho descobriu com quem está lidando. MIRALLES entrou no lugar de Escudero. Em seu primeiro lance, dominou pela direita, veio pelo meio e bateu de fora da área, encobrindo o goleiro. Miralles, um golaço para mostrar que merece ser olhado com mais carinho pelo técnico.

ADILSON, que substituiu Saimon, fez o que dele se espera, mas de maneira redobrada, porque, criado no Olímpico, jogou impregnado pelo sentimento de cada torcedor. O mesmo em relação a BRUNO COLAÇO, que entrou no lugar de Júlio César, lesionado. Participou pouco, mas contribuiu para garantir a vitória.

São os 14 heróis, os representantes da torcida em campo. Graças a eles Ronaldinho saiu do Olímpico de quatro. Como merece.

Agora ele tem certeza de que será sempre uma visita indesejável, e como tal será tratada. E isso até o fim dos tempos.

NOS ACRÉSCIMOS

Ah, uma palavrinha sobre o juiz. Rápido para amarelar jogadores do Grêmio, e compreensivo com os flamenguistas. Por exemplo, André Lima apanhou bastante. Um lance me chamou a atenção: Aos 34 do segundo tempo, André Lima levou um pontapé por trás, na canela, na linha divisória do gramado. Na frente do juiz. Lance muito parecido com o de Saimon em Ronaldinho. O zagueiro do Fla fez uma cara de quem sabia que poderia até levar o vermelho, ficou assustado. Roman deixou passar. Marcou a falta apenas.

Sem contar uns dois ou três lances de possíveis pênaltis na área do Flamengo, lances que a TV não repetiu. Tudo muito suspeito.

RG, a BM e a proibição de cartazes

É só o que faltava: a Brigada Militar quer proibir o ingresso de cartazes ofensivos a Ronaldinho neste domingo, no Olímpico.

A decisão, baseada no estatuto do torcedor, vai jogar mais combustível no fogo.

As faixas ‘homenageando’ o jogador mais famoso criado no clube desde 1903 servem como catalisadoras da raiva acumulada da grande maioria dos gremistas.

Se não puderem portar faixas como ‘Pilantra’ ou imitando cédulas de dinheiro com a estampa do traidor, o que resta ao torcedor?

Mais indignação, é o resta. Mais raiva, mais revolta, mais sede de vingança. E como colocar para fora todos esses sentimentos?

Com gritos, com vaias, com cantorias. Mais de 40 mil pessoas formando o maior coro que já existiu no estádio de futebol para ofender alguém.

Será que todos vão ficar satisfeitos ‘apenas’ com essa tipo de manifestação? Os cartazes, sem armação com material sólido, teriam (tem) uma importante função nesse quadro belicoso que se arma para o jogo contra o Flamengo como uma assustadora tempestade que se aproxima, escurecendo o céu, transformando o dia em noite.

Temo que a ação da BM, absolutamente inédita em estádios de futebol – a BM vai agir assim também em outros jogos? – e pouco inteligente, acirre ainda mais os ânimos. Há quem imagine que os ânimos já estão exaltados o suficiente, mas sempre é possível agravar a situação.

Sem os cartazes, é provável que alguns torcedores direcionem suas energias para outro tipo de ação, partindo até para algum tipo de agressão física, o que poderá alegrar muita gente, mas que sem dúvida será péssimo para o clube.

Como já escrevi, a obra dos Assis Moreira está incompleta.

Não tenho dúvida que Ronaldinho e seu irmão não se incomodariam se, em troca de uma pedrada, o Olímpico fosse interditado por longo tempo.

Por isso, não afasto sequer a possibilidade de que Ronaldinho, de alguma maneira, se comporte de maneira provocativa, debochada.

Por enquanto, a única ação no sentido de ampliar o grau de risco do reencontro de Ronaldinho com a torcida gremista é apenas de quem justamente deve zelar pela segurança: a BM.

OLÍMPICO VAI RUGIR

Se o Grêmio estivesse numa situação melhor no campeonato, com possibilidade concreta de lutar por vaga na Libertadores, o jogo contra o Flamengo talvez ficasse em primeiro plano. É claro, haveria todo esse clima hostil contra Ronaldinho, mas talvez fosse menor. A mobilização seria pela vitória, não pela vingança.

É certo que ainda resta uma pequena esperança, mas está quase impossível chegar em quinto lugar no campeonato. Se vencer o Flamengo, ainda assim o Grêmio ficará na posição atual, atrás até do Figueirense.

Se perder, então, pode até sair dos ‘dez mais’, o que não significa grande coisa. Portanto, hoje, o que interessa é a vingança.

O Olímpico vai rugir.

Ronaldinho vai saber, enfim, a dimensão do ódio gremista.

Não deve ser fácil voltar à terra natal sabendo que tem contra si ao menos metade da população.

Ronaldinho até pode disfarçar, fingir que não se incomoda.

Mas terá de conviver com o fato de que ele, querido e festejado em todo mundo, jamais o será na própria aldeia.

A obra dos Assis Moreira

A obra dos Assis Moreira

A obra dos Assis Moreira está incompleta.

Os alicerces foram colocados há muito tempo, quando o então jovem Assis, reluzente promessa das categorias de base – o melhor que vi antes da profissionalização, sem qualquer dúvida, superior até ao seu irmão mais novo – fugiu do Olímpico para acertar com o Torino, na Itália.

Na volta, ganhou do presidente do Grêmio na época, Paulo Odone, uma bela casa na zona sul de Porto Alegre. Uma casa com piscina, onde tempos depois… Bem, deixa pra lá, não vem ao caso.

Graças ao talento de Assis, a família humilde começou uma nova vida. Os tempos de pobreza ficaram para trás. Assis nunca foi o craque que prometia na base. De meia atacante goleador, passou a jogar numa faixa mais tranquila do campo, afastado da área inimiga. Mesmo assim, se destacou e ganhou dinheiro suficiente para proporcionar segurança e tranquilidade aos Assis Moreira.

Foi nesse meio que cresceu o pequeno Ronaldo, o Ronaldinho. Um raro exemplo de irmão mais novo que superou o mais velho.

Ronaldinho não ficou só na promessa de craque como seu irmão. Foi mais longe, muito mais longe.

Quando começava a aparecer como grande estrela do futebol brasileiro, Ronaldinho esqueceu as juras de amor ao Grêmio, o clube que acolheu os Assis Moreira, e proporcionou condições para que os dois irmãos desenvolvessem seus potenciais.

Depois de encenar uma renovação de contrato, Ronaldinho Gaúcho, tutelado pelo irmão Assis, bateu asas e voou, cruzando o Atlântico para defender o PSG.

Foi um golpe terrível para o Grêmio e uma decepção profunda para os gremistas. O jovem ídolo, que recém começava a brilhar, partia prematuramente, deixando atrás de si um rastro de revolta e ódio.

A obra maligna dos Assis Moreira contra o Grêmio não terminou aí. Certo dia, Assis retirou o seu filho dos juvenis do Grêmio, levando-o para o Inter. É claro que com grande cobertura da imprensa. O guri não deu certo no futebol. A jogada limitou-se a um lance midiático, mas sinalizou que ainda havia algo mais por vir.

E veio. Hábil negociante, sem qualquer escrúpulo (há quem entenda que em negócios não se pode exigir ética), Assis acenou com a possibilidade da volta de Ronaldinho ao Grêmio. Aqui, em sua antiga casa, Ronaldinho recuperaria o gosto pelo futebol, deixando o pagode e as noitadas em segundo plano. A direção do Grêmio acreditou. Eu vacilei como o Dunga naquele Gre-Nal, e acreditei. A maior parte da torcida acreditou, e se mostrou pronta a perdoar o antigo ídolo. Enquanto o Grêmio preparava uma festa para receber Ronaldinho, os Assis Moreira negociavam com outros clubes. O Grêmio servira apenas para atrair outros interessados, entre eles o Flamengo.

O golpe derradeiro dos Assis Moreira pode acontecer neste domingo. Ronaldinho, vestindo a camisa do Flamengo, volta ao Olímpico depois de tudo o que se passou. Há um clima belicoso no ar.

É como um vazamento de gás num prédio fechado. Qualquer faísca irá provocar uma explosão.

Ressentida, a torcida vai se manifestar contra Ronaldinho. São anos e anos de espera por esse momento.

A obra dos Assis Moreira estará concluída com a interdição do Olímpico.

Para isso, bastará um gesto, uma atitude, um sorriso debochado de Ronaldinho diante das manifestações hostis. Bastará uma faísca para que um torcedor reaja da pior maneira.

Se isso acontecer, a obra contra o clube que retirou os Assis Moreira da pobreza e contribuiu para a riqueza material da família estará finalmente concluída.

E Ronaldinho sairá do estádio como vítima, mal contendo aquele sorriso dos tempos em que jogava futebol com legítima alegria.

O pé-frio e a frustração da dupla

Os resultados do fim de semana foram frustantes para gremistas e colorados. O Grêmio, no sábado, e o Inter, neste domingo, tinham tudo para fechar a rodada com três pontos, mas não souberam segurar a vantagem por mais alguns minutos.

A história dos dois é semelhante. Seus adversários, o lanterna América e o então líder Corinthians ficaram com um jogador a menos ainda no primeiro tempo. O Grêmio vencia por 2 a 1 até os 41 minutos do segundo tempo. O Inter vencia por 1 a 0 até os 43 minutos do segundo tempo.

Aí, o Grêmio que estava encurralado pelo lanterna mesmo tendo um jogador a mais, levou um gol de cabeça numa cobrança de escanteio, um golaço. Se o jogo continuasse mais alguns minutos o América teria virado, com certeza, tamanha a mediocridade do time que estava em campo vestindo a camisa tricolor.

No Beira-Rio, o Corinthians não tinha o mesmo ímpeto do América, e tudo indicava que sairia de campo derrotado. Foi então que D’Alessandro cometeu uma falta evitável em Alex, a uns 15 passos da grande área, mas de frente para a goleira. O argentino levou o segundo amarelo e foi expulso justamente.

Foi então que sucedeu-se algo inacreditável: ficaram apenas dois jogadores na barreira. Concordo que era um chute de longe, mas quem ajeitou a bola para bater foi um sujeito muito conhecido por seu chute forte e preciso. Faltando dois minutos para terminar o jogo não seria o caso de fazer uma barreira de verdade, apesar da distância da falta? É evidente que sim. Alex viu o canto aberto e chutou forte. A bola entrou rente à trave esquerda. Muriel, que estava bem no centro da goleira, tinha amplas condições de fazer a defesa, mas demorou a saltar.

Se o gol do América acabou com o delírio de alguns gremistas que ainda sonhavam com uma vaga na Libertadores, o gol do Corinthians sepultou o sonho de título dos colorados, que vão para 33 anos sem comemorar um campeonato brasileiro. E, para agravar ainda mais a dor colorada, quem fez isso foi o odiado Corinthians.

Resta ao Grêmio, conforme escrevi já faz tempo, terminar o campeonato com dignidade, entre os top ten.

Ao Inter, a perspectiva é melhor: brigar até o fim por vaga na Libertadores de 2012. O que me parece muito possível com o retorno de Leandro Damião.

NOS ACRÉSCIMOS

Informo que não vi os dois jogos. Estava viajando, acertando detalhes para o lançamento oficial do MazembeDay e da 1983 em larga escala.

Quer dizer, vi um pedacinho de cada jogo. No sábado, consegui parar em frente a uma TV a seis minutos do final. Vi na tela: Grêmio 2 x 1 América-MG. Perguntei a um gremista ao meu lado, encostado no balcão, olhar aflito, os mineiros estavam em cima. Quem fez os gols? André Lima, respondeu, sem tirar o olho da TV. Aí, escanteio e gol do América. Continuo sendo pé-frio, uma verdade trágica.

Hoje, retornando ao lar doce lar, liguei a TV aos 40 do segundo tempo: 1 a 0 Inter. “Agora, o Inter sobe e pode buscar o título”, pensei, enquanto via o D”Alessandro cometer uma falta idiota no Alex. Última chance do Corinthians, imaginei. Gol de Alex. Alívio.

O que me consola é que sou pé-frio para os dois. Na verdade, eu sou um perigo.