Portas Fechadas – LUTO

O sopro dos apitadores e os avalistas da corrupção

Mais um jogo marcado pela incompetência da arbitragem. Se na quinta o Grêmio foi prejudicado escandalosamente, neste sábado o sopro do apito impediu que a nau vermelha afundasse em pleno Beira-Rio, diante de uns 30 mil torcedores.

O empate por 1 a 1 foi injusto para o Santos. Para começar, Edu Dracena marcou um gol de cabeça que o juiz Paulo Godói Bezerra não validou. E o quarto árbitro, Francisco Neto, um que foi apontado tempos atrás como sendo um torcedor colorado no apito, informou que a bola não entrou.

O lateral Nei tirou a bola pelo menos meio metro após a linha. Meio metro. É claro que depois daquele lance na Copa do Mundo, os bandeiras não precisam ver mais nada, só aquilo que lhes interessa.

As imagens da TV, na diagonal do campo, provam que o bandeirinha das sociais teve todas as condições de ver que a bola entrou. Nem precisava ouvir o quarto árbitro, que eu não vi onde estava, mas que imagino estivesse perto da goleira.

Na Copa, foi um escândalo. Aqui, a mesma coisa.

Curioso: em dois jogos seguidos em POA os quartos árbitros são destaque, e ambos em situação a favor do Inter, um vibrando atrás da goleira; outro influenciando no resultado do jogo.

Agora, preocupante para o torcedor colorado foi mais uma vez o goleiro Renan. Que saída medonha nesse lance. Ele foi lá na linha do pênalti para soquear a bola. Se tivesse ficado parado dentro da goleira a bola cairia mansa em suas mãos.

Para completar, um pênalti acintoso do Kleber em Neymar, a poucos metros do juiz. O jogador colorado tirou o guri pra dançar na quina da grande área.

Então, em dois jogos seguidos, o Inter é beneficiado (no Gre-Nal também o foi). E o Grêmio em dois jogos seguidos é afrontado em sua grandeza e nada acontece.

É claro que amanhã isso vai acontecer com o Inter, mas agora é com o Grêmio.

Com isso, o Grêmio teve travada sua arrancada rumo ao grupo da Libertadores e quem sabe até ao título.

São cinco pontos sonegados pelos apitadores de plantão.

PERGUNTA DE BEBUM

Esse Francisco Neto vai apitar jogos do Grêmio e do Inter no Gauchão???????

SAIDEIRA

Amanhã, os avalistas da corrupção vão festejar mais quatro anos. Se a esperança é a última que morre, a minha em termos de Brasil já morreu a horas.

Contra Conca e a arbitragem fica difícil

O juiz Heber Roberto Lopes imitou Carlos Simon.

Talvez tenha pensado: se o melhor árbitro do país, o juiz dos Mundiais, pode deixar de marcar pênalti a favor do Grêmio – como aconteceu no último Gre-Nal -, por que eu, um juiz que só não é decadente porque nunca subiu, com fama consolidada de caseiro, tenho que marcar?

E não marcou. O zagueiro Leandro Eusébio quase dividiu Jonas ao meio dentro da área, numa falta inquestionável, e Heber fez de conta que era uma jogada normal. Não deu o pênalti.

Dizem que ele levou o apito à boca para marcar. Acredito. Mas aí ele se deu conta que estava na casa do Fluminense.

Se o ato cirúrgico tivesse sido praticado por um zagueiro do Grêmio no Washington, na área do Grêmio, ele com toda a certeza levaria o apito à boca e o sopraria com toda a força dos pulmões, correndo qual uma gazela, braço direito esticado, apontando a marca do pênalti.

Quando soube da indicação de Heber para apitar esse jogo, temi pelo pior. Tinha certeza de que o Grêmio no máximo conseguiria um empate.

Assim como no Gre-Nal, o Grêmio mereceu vencer. Foi superior ao Fluminense, que estava muito desfalcado, diga-se.

O problema é que o Fluminense tem o melhor jogador do campeonato, o Conca, este que foi tema de dois comentários meus nesta semana aqui no boteco, e que o Grêmio tenta contratar usando o prestígio de Renato Portaluppi.

Por sinal, ao final do jogo, Conca correu para abraçar Renato. Namoro ou amizade? Os dois se dão bem desde os tempos de Vasco.

Se o Grêmio tem Douglas, o Flu tem Conca. O argentino marcou um golaço no primeiro tempo, talvez o único lance de ataque dos cariocas nessa etapa. Já o Douglas não acertou um chute, nem cobrança de escanteio, embora também seja um grande jogador.

No segundo tempo, o Grêmio foi avassalador. Domínio absoluto. Mas poucas conclusões com perigo. Agora, uma delas…

Se Heber saiu do estádio criticado por não ter marcado o pênalti e depois amarelado meio time do Grêmio por reclamação, o que dizer do sr. André Lima? Ele teve a bola de jogo na sua cabeça, mas mandou por cima. Estava sozinho, o goleiro paralisado embaixo da trave.

Heber é localista, caseiro, um mau juiz. André Lima não chega a ser mau jogador, mas quem é festejado por ser bom cabeceador não poderia ter perdido essa oportunidade.

Não se pode atribuir os 2 a 0 (o segundo também foi de Conca) apenas ao juiz. O ataque gremista fez muita fumaça, mas pouco fogo. Aliás, repetiu o Gre-Nal.

Sobre arbitragem, ainda: alguém vai escrever que Heber, a exemplo de Simon no Gre-Nal, também teve ‘grande atuação’?

O resultado põe um fim ao delírio de pensar no título brasileiro e afasta o time do sonho de uma vaga na Libertadores, que agora ficou muito mais difícil.

Já o Muricy, o iluminado, parte em busca de mais um Brasileirão.

O problema dele é que há um Tite no meio do caminho, agora ainda mais forte porque comanda o queridinho da CBF.

Namoro ou amizade?

Namoro ou amizade?

Frase de Renato Portaluppi sobre Conca:

— O Conca é um amigo. Tenho orgulho de ter trabalhado com ele. Ele está entre os cinco melhores do Brasil porque ele realmente é diferenciado. E fora das quatro linhas também é um cara exemplar.

Frase do Conca sobre Renato:

— Tenho uma amizade muito boa com o Renato. É um grande treinador, que me ajudou muito. É uma grande pessoa e tenho muita admiração por ele. Vai ser muito bom reencontrá-lo.

É namoro ou amizade? É por aí que o Grêmio quer chegar no argentino.

A relação entre os dois é muito boa. Renato foi o treinador de Conca no primeiro ano do argentino no Brasil, em 2007. Os dois trabalharam juntos no Vasco. em 2008, Renato foi para o Fluminense e lembrou de Conca. Os dois quase foram campeões da Libertadores. O Flu era muito melhor do que a LDU. Foi um crime.

Repito: Conca é o melhor articulador em atividade no futebol brasileiro. Aliás, neste aspecto, os argentinos dão de relho: tem ainda o D’Alessandro e o Montillo.

Se conseguir Conca e garantir Renato, o Grêmio começará 2011 com o pé direito.

SAIDEIRA

Recebi há tempo um video em que o Presidente do Nunca Antes discursa, no tempo em que tinha a barba mal cuidada para compor o tipo de operário, ataca o bolsa-escola, chamando de tudo e mais um pouco.
Em outro vídeo, elle discursa defendendo o bolsa-família (uma bolsa-escola piorada porque não exige nada em troca, a não ser o voto, de modo subliminar, mais adiante) atacando ferozmente os críticos por usarem os mesmos argumentos que ele antes, quando convinha, utilizava.
É muita cara de pau.
E tem gente que gosta e ainda pede bis…

Conca para 2011

Conca para 2011

O Grêmio acompanha com atenção o desenrolar da negociação para a renovação de contrato de Conca com o Fluminense.

O jogador está insatisfeito com a proposta recebida e com a tática ‘empurra com a barriga’ da direção, que promete resolver a questão e não resolve.

Conca admite que sua paciência está terminando. Seu contrato vai até o fim de 2011.

A informação que eu recolhi é que Renato já entrou em campo. O técnico do Grêmio é um grande admirador do meia argentino, peça fundamental no time que foi vice campeão da Libertadores.

Assim como foi decisivo para trazer Gabriel, Renato pode contribuir para trazer Conca para o Olímpico.

Conca joga aquilo que Douglas pensa que joga, e mais um pouco. É melhor que D’Alessandro, porque mantém o nível o tempo todo. É um jogador participativo, interessado, além de muito talentoso.

E tem personalidade forte, de vencedor. Contra o Atlético-PR, domingo, ele tirou a bola das mãos de Washington, que se preparava para bater um pênalti. Conca pegou a bola e fez o gol de empate.

Conca jogou todas as partidas do Fluminense neste Brasileirão.

Ele ganha bem menos do que Fred e Deco no Flu.

O Grêmio pode pagar o quanto Conca vale. Basta liberar alguns medalhões que mais ficam de fora do que jogam.

Só tem um probleminha: ele fará artroscopia do joelho esquerdo ao final do campeonato. Tem jogado com dor há tempo. Imagine se jogasse sem dor.

Conca, está aí o craque que o Grêmio precisa.

Ah, outra coisa, ele nasceu em 1983…