O hexa fica para 2014

Que a Fifa é uma entidade manipuladora ninguém pode ter dúvidas. A questão que fica é até que ponto ela manipula (leiam o blog do Juca de quatro dias atrás). Eu acredito que a Fifa vai fundo e até entra em campo para ajeitar resultados de acordo com suas conveniências políticas e, principalmente, financeiras.

Diante disso, afirmo peremptoriamente (sempre que uso esta palavra me lembro do Tarso Genro) que o Brasil não será campeão do mundo, pelo menos não agora. O hexa vai ficar para 2014, com final no Maracanã (desde que o adversário nao seja o Uruguai).

Fora essa questão de manipulação, o time armado por Dunga, aliás bem armado com o material humano que ele decidiu levar para a África), não tem futebol para conquistar o título.

Mesmo assim, diante da incompetência de seus rivais, o título seria possível.

Escrevo ‘seria’ porque a Fifa não vai deixar o Brasil ser campeão, mesmo que em campo o time mostre capacidade e condições para tanto.

Ocorre que se o Brasil for campeão agora, terá tudo para repetir o feito dentro de quatro anos, quando jogará em sua casa. E aqui não tem pra ninguém, mesmo que Romário seja convocado para treinar a Seleção, auxiliado pelo Edmundo.

Então, o Brasil chegaria ao hepta, tirando muito do brilho da competição, e, por consequencia, afetando o lucro, normalmente abusivo, de Blatter e seus, digamos, parceiros.

No buquimequi já cravei 2 a 1 pra Holanda.

Podem enrolar suas bandeiras verde-amarelas.

SAIDEIRA

Clube poderoso mesmo é o Grêmio. Que Barcelona, que nada. Inter de Milão? Real Madrid? Estão de brincadeira.

Qual clube no planeta fixa o passe de sua estrela mais reluzente em 15 milhões de euros e depois a deprecia assim sem mais nem menos?

Foi o que fez a direção do Grêmio, que tempos atrás estipulou o preço do Mário Fernandes no valor acima e agora nada faz para impedir a ação danosa de seu treinador.

O Grêmio é tão poderoso que pode se dar este luxo.

SAIDEIRA II

Ouvi no Sala de Redação que o zagueiraço Ozeia é da religião, reza pela mesma cartilha do treinador. Aliás, essa história de panelinha de jogadores religiosos já teria ocorrido no Avaí, o que foi negado pelo técnico quando de sua contratação pelo Grêmio.

A Fifa, a galinha morta e o poder de Alfredo Possas

Joseph Blatter pediu desculpas pelos erros que prejudicaram Inglaterra e México. O presidente da Fifa não fez qualquer referência a uma punição aos árbitros.

Jorge Larrionda, que cometeu o maior erro que já vi em Copa do Mundo, não será sequer advertido. Não tenho dúvida de que ele irá representar o Uruguai na próxima Copa, prevista para ser disputada no Brasil.

A Fifa não desampara seus amigos, seus parceiros, seus operadores.

Vale a pena ler entrevista com um jornalista inglês sobre a Fifa publicada no blog do Juca Kfouri, ontem.

EM TEMPO

Conforme escrevi anteontem, o Brasil pegou uma galinha morta e fez a sua parte, venceu com facilidade.

Mas continua sem convencer. Jogou um futebolzinho de doer. No segundo tempo, o Chile entrou na área brasileira umas dez vezes pelo menos. Ficou ali tocando bola sem saber o que fazer, concluindo duas ou três vezes. Ridículo aquele joguinho de tico-tico dentro da área.

O argentino Bielsa achou que poderia enfrentar o Brasil de igual para igual. Muita pretensão. Aliás, pretensão é o que não falta para os argentinos.

Agora, a Holanda, seleção que apontei como favorita ao título. O Brasil sempre penou para derrotar o time holandês.

A Holanda passou com muita dificuldade pela Eslováquia, que é superior ao Chile, sem qualquer dúvida.

Aposto na Holanda. Se a arbitragem não interferir…

No único jogo em que pegou um adversário melhorzinho, contra Portugal, o Brasil só empatou.

EM TEMPO II

Sobre Argentina x Alemanha: sou mais a Alemanha. O time do Nelson Ned foi beneficiado pela arbitragem em todos os jogos. A Alemanha só contra a Inglaterra. Se a Argentina der espaço para contra-ataques, com aquela sua defesa peneira, vai levar goleada da Alemanha.

Aliás, se o Brasil tivesse o contra-ataque alemão no jogo contra o time do cabernet sauvignon, do carmenere e dos terremotos teria feito uns 10.

SAIDEIRA – O PODER DE POSSAS

O colega Alfredo Possas é conhecido por suas posições radicais e, muitas delas, sem qualquer explicação lógica. Ele tem ódio mortal por algumas pessoas famosas ou quase, as quais nem conhece pessoalmente.

Por exemplo, ele odeia Neimar, um ‘gurizinho petulante e exibido’, segundo ele. Odeia o piloto inglês de F-1, o Hamilton (se diz RRRÉMILTON, segundo Mariana, a Bela).

O Bragantino, no seu auge, foi alvo da ira de Possas. Sumiu o Bragantino.

O mesmo em relação ao São Caetano, não poupando sequer os jogadores do São Caetano.

Um deles morreu dentro de campo, esqueci o nome dele.

O goleador Fabrício Carvalho surgiu como um fenômeno de atacante tempos atrás. Bastou para despertar a fúria secadora de Possas.

Descobriram um problema cardíaco no rapaz.

A lista é enorme.

O goleiro Bruno é o exemplo mais recente do poder do olho grande do Possas. Antes da Copa, ele dizia, cuspindo fogo, que Bruno seria convocado pelo Dunga no lugar do Victor e que acabaria titular.

Possas odeia tudo o que é relacionado ao Flamengo. Sobrou para o Bruno, acusado agora de assassinato. Em breve, tudo indica, irá reforçar o time do presídio.

Eu sei que o Possas vai tomar conhecimento que estou escrevendo. Por precaução, quero deixar muito claro que gosto do Possas, meu amigão, grande jornalista, polêmico, excelente ser humano, gente fina barbaridade…

Possas, por favor, considere isso uma homenagem.

Possas, tu é o cara!!!!

A arbitragem na Copa e o caso Mário Fernandes

A arbitragem contribuiu fortemente para decidir dois classificados às quartas de final, ambos candidatos ao título: Alemanha e Argentina.

Dentro dessa lógica, o Brasil vai ser beneficiado contra o pobre Chile, se for necessário. O mesmo em relação a seleção da Holanda, que até agora foi a equipe que apresentou o futebol mais equilibrado e regular de todas.

Sobre a escandalosa arbitragem de Argentina 4 x 1 Inglaterra eu já escrevi, inclusive projetando que o México poderia surpreender a Argentina, outra que a mim não convence.

O México foi garfeado. A Argentina foi beneficiada em todos os jogos da Copa. E levou gol em todos os jogos. Hoje, com um pouco mais de sorte e sem a arbitragem contra si, o México poderia ter vencido os argentinos, mandando Maradona e seus Maradonetes mais cedo pra casa.

Quem viu o jogo sabe do que estou falando. O México teve mais posse de bola, mais conclusões, mais escanteios. Só não teve uma arbitragem (agora italiana) neutra.

O gol de Tevez, que abriu o placar, é de concurso. Nem na várzea mais varzeana um gol desse passa. Até a imprensa argentina apontou o erro grosseiro.

E pensar que a nata da arbitragem mundial está na África do Sul…

Depois, o zagueiro mexicano deu uma entregada maravilhosa e o Tevez acertou uma patada de fora da área. Tevez jogou muito. Só Maradona não viu, tanto é que o sacou, ajudando o México. Tevez saiu bronqueado com seu ‘treinador’, que mais parece o Nelson Ned gesticulando à beira do campo enfiado naquele terno apertado.

Então, temos Argentina x Alemanha, bem mais interessante que México x Inglaterra…

SAIDEIRA

O caso Mário Fernandes.

O jogador saiu de campo em Rivera, onde o Grêmio bateu o Nacional por 3 a 1, reclamando que Silas falou primeiro para a imprensa que ele passaria a disputar posição na lateral-direita. Mário reiterou que aceita, mas que prefere a zaga.

O jogador mais valorizado do clube vai para a reserva. E o sr Meira acha isso muito natural, nem questiona a decisão do Aprendiz.

Na coletiva, o sr Silas foi arrogante e prepotente. Ele disse que não tem de dar satisfação ao atleta.

Diante da insistência de um repórter sobre o assunto, ele sugeriu que o referido profissional poderia ter uma “parte no passe” de Mário.

Bem, se esse tipo de coisa passa pela cabeça do Aprendiz…

Freud explica, Freud explica. Aí tem coisa.

Meu avô já dizia: quem mal não pensa, mal não faz.

A manifestação medíocre e leviana do técnico gremista permite que se possa suspeitar que ele, ao indicar jogadores medianos, inclusive escalando um de titular (Ozeia) que ele tenha algum tipo de participação obscura nos negócios.

Permite supor, também, que a decisão de colocar Mário Fernandes na reserva não é meramente técnica. Mas é claro que Silas, conforme ele fez questão de frisar durante a entrevista, é um homem honesto. Apenas não é um bom treinador de futebol, ao menos na minha opinião. E pensar que eu defendi sua contratação.

E assim vai a nau tricolor rumo ao seu iceberg.

O erro de meio metro e a vitória da Adidas, digo, da Alemanha

Torci pela Alemanha contra a Inglaterra. Mas a partir dos 38 minutos de jogo virei casaca. Não pude suportar o erro colossal do árbitro Jorge Larrionda, um erro tão grande que fica difícil, ao menos pra mim que vejo chifre em cabeça de cavalo a todo instante, aceitar como algo natural, mais um simples erro humano.

A bola chutada por Lampard cruzou quase meio metro a linha da goleira. Impossível que o bandeirinha Mauricio Espinosa não tivesse visto. Até mesmo o uruguaio Larrionda tinha condições de assinalar o gol.

Depois de 44 anos, a vingança alemão. Em Wembley, na final da Copa do Mundo de 1966, aos 11min da prorrogação, o atacante inglês Hurst dominou após cruzamento na área e chutou. A bola bateu no travessão, caiu sobre a linha e voltou. Para desespero dos alemães, o árbitro suíço Gottfried Dienst confirmou o gol inexistente. A Inglaterra, dona da casa, dona da festa, foi campeã.

Agora, o castigo cruel para os ingleses.

Não sei até que ponto não há o dedo, a mão e tudo mais da Adidas, patrocinadora da Copa, fabricante de polêmica bola que parece de plástico.

Há um lance logo no começo de jogo que pode ajudar a entender o que houve. Rooney escapou livre para fazer o gol. O bandeirinha tão distraído no gol de Lampard marcou impedimento. A bola, porém, havia batido num alemão, que deu condições para o atacante inglês. Foi na cara do Larrionda.

Lembrei disso quando ele não validou o gol que seria o empate da Inglaterra e que poderia mudar toda a história do jogo.

No segundo tempo, perdendo por 2 a 1, a Inglaterra se mandou para o ataque. Em dois contra-ataques de extrema velocidade e eficiência, resultado de muito treinamento, por certo, a Alemanha liquidou a partida.

Ouvi elogios desvairados aos alemães, em especial do Caio, da TV Globo.

Não há dúvida de que a Alemanha tem um time forte, competitivo e que, se tiver espaço para contra-atacar, torna-se quase imbatível. Não vi nenhuma seleção jogar com tanta eficiência quando tem espaço na frente. Uma ressalva: apertada depois de fazer 2 a 0, a Alemanha mostrou fragilidade e só não foi para o vestiário com o 2 a 2 graças à arbitragem calamitosa dos uruguaios.

A Alemanha se classificou, e isso é o que importa. O futebol está marcado por injustiças, e a vida segue.

Se a Argentina passar pelo México – é favorita, mas no futebol tudo pode acontecer como se viu nesse jogo do sr Larrionda – terá pela frente a Alemanha da Adidas.

Ah, o que a Fifa fará em relação ao sr. Larrionda e seu fiel bandeirinha?

Um erro desses de meio metro não pode ficar impune.

SAIDEIRA

Acho que está na hora de a Fifa, êta entidadezinha manipuladora essa, introduzir tecnologia para evitar esse tipo de barbaridade. Ah, mas ela prefere ficar com o tal erro humano. Por que será?

Mata-mata na Copa e a prorrogação de Carlos Simon

Pela primeira vez eu torci nesta Copa. Torci para o Uruguai. Vibrei com o gol do bom atacante Suárez, que deu a vitória aos nossos vizinhos.

O Uruguai tem tudo para avançar ainda mais na competição. Na quartas, enfrenta Gana. O time africano tem muita imposição física, velocidade, mas não acredito que possa superar o time uruguaio, que pode chegar à semifinal e a partir daí tudo pode acontecer.

Não consigo imaginar o Uruguai campeão, mas que o caminho está aberto para ficar entre os quatro melhores, está. E isso já será um grande feito para o país. Torço pelo Uruguai.

No outro jogo, torci pelos EUA.

O lance emblemático do jogo foi o gol da vitória dos africanos. A bola foi lançada para um zagueiro de Gana, que mais parecia um armário com duas pernas.

O zagueiro número 3 dos EUA acreditou que se jogasse o corpo em cima do adversário poderia matar a jogada, quase na risca da grande área.

Então, ele foi com tudo em cima do armário. O máximo que o norte-americano conseguiu foi que o jogador de Gana ganhasse mais impulso para matar no peito e fuzilar o goleiro.

Quero dizer que o zagueiro branquela faz isso no Luís Fabiano, por exemplo, o atacante brasileiro vai parar perto da linha lateral. O Nilmar seria jogado na arquibancada.

Se fosse comigo a trombada da jamanta norte-americana, partes do meu corpo poderiam ser encontradas na carrocinha do pipoqueiro, fora do estádio.

Já o negrão de Gana não sentiu nem cócega. Acho que esse o Loco Abreu encara.

SAIDEIRA

Agora, como é bom o mata-mata. Até um jogo entre EUA e Gana fica emocionante. Eu ainda espero ver o mata-mata de volta ao Brasileirão.

E a prorrogação, então? A adrenalina dos jogadores em campo aumenta e contagia até quem está diante da TV no outro lado do planeta.

Não pude deixar de lembrar do Carlos Simon durante a prorrogação deste sábado. Lembrei daquela decisão de Gauchão, Inter x 15 de Campo Bom, em que o Simon contou 30minutos cravados, sem descontar sequer a transição do intervalo, e ficou por isso mesmo. Um escândalo.

Fiquei me perguntando – e encaminho a pergunta aos parceiros do boteco – se ele, o Simon, faria o mesmo em jogo da Copa do Mundo?

Torço para que Simon tenha essa oportunidade na Copa.

Encontrei uma motivação a mais para seguir assistindo aos jogos.