Caso PDF: Inter pode até ser excluído de competições

Relatório do delegado Mauro Marcelo de Lima e Silva, que está sendo entregue nesta manhã ao STJD, remete para o código disciplinar da Fifa, artigo 61, incisos 1 e 4, que prevê multa de um milhão de francos suíços e até exclusão de competições.

“A pena pode ser em dobro no caso da multa, porque o Inter anexou documentos adulterados em duas ações”. Foi o que disse o auditor Mauro Marcelo, responsável pelo inquérito de 800 páginas, resultado de 111 dias de investigação.

Mauro Marcelo revela que seu relatório mostra quem adulterou os e-mails e prova que não foi o Inter o autor da fraude.

Quem adulterou foi um funcionário do agente que fez a transação Monterrey/Vitória.

Mas isso, segundo ele, não altera nada em relação ao clube.

“O fato de ter utilizado documentos fraudados é tão grave quanto ter cometido a adulteração. É a mesma pena, uma tentativa de induzir o tribunal ao erro”, avaliou.

Em seu relatório, o auditor pede a punição de todos os envolvidos, o presidente Piffero, todos os advogados que atuaram no caso Victor Ramos e o próprio clube.

O inquérito e o relatório final, de 50 páginas, serão encaminhados agora ao Ministério Público do Rio de Janeiro.

ATENÇÃO

RELATÓRIO NA ÍNTEGRA

  https://cdn.cbf.com.br/content/201705/20170531100631_0.pdf 

A falta de sorte dos gremistas Abaixo do Mampituba

Gremista não tem sorte mesmo.

São vários os exemplos que confirmam essa frase. Caso Aranha (nunca mais se viu tanto rigor na punição para casos equivalentes); a expulsão de Rivarola por causa do telão numa final de mundial de clubes (fato que não mais se repetiu), e por aí vai.

Minha memória tem limites. Se alguém lembrar de outros episódios por favor me mande que eu acrescento. Só sei que a lista é grande.

Escrevo sobre essa rotineira falta de sorte gremista motivado pelo caso Romildo/Doriva/Vasco.

O presidente tricolor foi chamado de tudo, de ingênuo e antiético para baixo, porque entrou em contato com o treinador, então considerado grande revelação, sem falar antes com o Vasco.

Não bastasse o ataque furioso do presidente vascaíno ao Romildo – o que até é natural vindo de Eurico Miranda -, houve também críticas ácidas de jornalistas aqui da aldeia, o Texas, como apelidou o cornetadoRW.

Rebaixaram Romildo à quinta divisão dos dirigentes de futebol. Aprendiz e neófito foram os adjetivos mais delicados.

Agora, o Inter faz a mesma coisa, conversa antes com Guto Ferreira, ignorando o Bahia. 

O presidente do clube baiano não agride, não ataca, não cospe fogo, apenas diz que libera o treinador mediante pagamento da multa contratual. 

O assunto foi amplamente debatido num programa da SporTV. Deram-lhe pau no Inter, o que dificilmente será ampliado pela mídia Abaixo do Mampituba, onde há um esforço comovente de tornar a peregrinação vermelha pela segundona num paraíso.

Ah, ‘segundona’ é um adjetivo que caiu em desuso na imprensa. Era repetido à exaustão quando o Grêmio passou por esse inferno.

É mais um caso que mostra que gremista realmente não é sortudo.

Antes, a segundona era o fundo do poço, hoje uma experiência enriquecedora de vida…

Não existia esse negócio de ‘transição’ da B para a A, ou algo assim. Era ferro e ferro, pra humilhar gremista.

Agenda positiva como se vê agora, nem pensar. Era piadinha aqui, piadinha ali.

Hoje, os gremistas que sobreviveram ao tiroteio se vingam nas redes sociais. E tem gente que fica ofendida.

Durante o programa, no qual o Inter virou a Geni por não ter tratado antes com o Bahia, fizeram uma enquete que resultou amplamente desfavorável ao Inter. A pergunta: se vc fosse Guto qual time escolheria? Deu Bahia, 87%.

Esse episódio é mais um que contribui para prejudicar a imagem do Inter nacionalmente.

E tudo por causa de um treinador mediano, que talvez nem dure três ou quatro meses, a exemplo de outros.

Agora, uma coisa é certa: o presidente colorado não tem nem terá o mesmo tratamento violento e desrespeitoso que teve Romildo Bolzan.

Afinal, gremista não tem a sorte dos colorados perante a maior parte dos cronistas esportivos da aldeia.

PEÇAM AO D’ALESSANDRO

Não vejo maior problema em conversar com o treinador com contrato em vigor com outro clube.

O Euricão abriu um bocão contra Romildo. Logo ele.

O treinador tem o direito de buscar o que é melhor para si.

Quando se trata de demitir o treinador, o clube nem pensa duas vezes. O técnico é sempre o culpado da vez.

Doriva durou só mais algumas semanas no Vasco. Guto provavelmente não duraria muito no Bahia.

Vir para um clube que só precisa ficar entre os quatro primeiros de uma segundona é uma opção natural.

Está certo o Guto. Assim como está certo o presidente do Bahia em cobrar multa rescisória.

É pouco mais de 500 mil reais. Parece que o Inter não quer ou não pode pagar isso, quer parcelar.

Peçam pro D’Alessandro, ele deve ter isso no bolso neste momento.

 

 

Reservas deixam escapar a vitória em Recife

Confesso que fiquei surpreso quando soube que o Grêmio jogaria com time reserva, com alguns reservas de reservas.

Aqui, de uma posição de quem está distante do vestiário, achava melhor um time reserva reforçado de uns três ou quatro titulares, sem maiores prejuízos para o confronto decisivo diante do Fluminense pela Copa do Brasil – competição menos difícil de vencer que o Brasileirão.

Mas foi só o jogo começar que passei a pensar que Renato e sua comissão técnica haviam acertado mais uma vez. O Grêmio saiu na frente, marcou dois gols, o primeiro do execrado Fernandinho – que depois marcaria mais um, de pênalti – e o segundo de Thiery.

Os reservas gremistas davam a impressão de que a vitória viria ao natural. Foi só impressão, porque no segundo tempo o Sport voltou mais agressivo, alguns jogadores do Grêmio já estavam sem a força inicial para exercer uma marcação mais forte.

Quem fica muito tempo sem jogar ou apenas entra no decorrer de alguns jogos sempre sente mais a falta de ritmo, o desgaste é maior.

Isso ajuda a explicar por que a vantagem não foi mantida. O Sport virou com excelente aproveitamento de oportunidades. Quase 100%.

Muitos culpam Bressan, mas quem errou mais na zaga foi Thiery, que foi mal nos dois primeiros gols do adversário. No entanto, é um zagueiro de qualidade, um bom reserva.

Os volantes, no segundo tempo, pareciam perdidos, foram envolvidos, sobrando para a zaga e o jovem Léo. Não teve culpa nos gols – se fosse Grohe o goleiro as redes sociais estariam pegando fogo contra ele -, mas não me passou segurança.

A impressão que tenho é que Grohe não tem um reserva que passe confiança ao torcedor. Talvez por isso que a direção tenha tentado Cássio, há alguns meses.

O Grêmio poderia ter vencido, e suas chances seriam maiores com um time com um pouco mais de qualidade e experiência.

Correu o risco e o resultado acabou sendo o que se poderia esperar de um time muito reserva contra o Sport, em Recife, onde sempre tudo é muito complicado.

Os dois gols iniciais passaram a ilusão de que a vitória seria possível. 

Por isso, agora, é maior a frustração e decepção dos gremistas, inclusive eu. Sair ganhando por 2 a 0 e permitir a virada é mesmo frustrante. Mas considerando-se ainda a falta de entrosamento do time era até de se prever um resultado pior.

Bem, entre as três competições em disputa, a prioridade é a Libertadores, depois a Copa do Brasil. Sem abrir mão, claro, do Brasileiro, no qual o Grêmio está muito bem colocado.

Por fim, contribuiu para essa escalação surpreendente o fato de que são vários os jogadores que ainda não podem voltar ao time.

GURIZADA

Por outro lado, foi interessante ver em campo jogadores que dificilmente são aproveitados. Nesse aspecto, a experiência foi válida.

Gostei do Pepe, que falhou no quarto gol, mas não abaixou a cabeça, foi ao ataque e sofreu pênalti. Mostrou personalidade, e qualidade técnica.

Cabe agora ao Renato começar a escalar mais vezes, se possível, esses guris da base, que entre os titulares poderão render bem mais. 

RENATO

O treinador gremista, que num acesso de humildade afirmou que é um técnico ‘muito bom’, quando na realidade é ótimo, é acusado nas redes sociais de ter demorado a fazer substituições quando o Sport jogava no campo tricolor.

Até acho que ele demorou mesmo, mas nada grave, até porque as opções não passavam segurança para reverter o que acontecia.

MOEDOR DE TÉCNICOS

Zago teve alguns bons momentos, mas insuficientes para contentar a torcida colorada.

Além dos resultados de campo negativos e um futebol que não agradava, o técnico de ‘perfil europeu’ (não sei o que é isso), teve um comportamento condenável até pelos colorados.

A imprensa até que tentou uma agenda positiva em torno dele, mas não ajudou.

Zago, agora, fica recebendo sua remuneração mensal até o fim do ano.

É o primeiro a cair na temporada. Vamos ver quanto irá durar o próximo.

O Inter virou um moedor de técnicos.

 

 

Grêmio goleia e se credencia a brigar por títulos

Foi um festival de gols perdidos, mas o que importa é que ao golear o Zamora por 4 a 0 numa Arena que poderia ter mais público se houvesse uma melhor política de preços, o Grêmio garantiu a terceira melhor campanha da Libertadores/2017. Não é pouca coisa, como se verá mais adiante nos confrontos de mata-mata. 

O primeiro lugar só não foi alcançado – faltaram 3 gols para isso – porque o Grêmio perdeu gols de todos os jeitos. O goleador Barrios só não fez mais por que o goleiro venezuelano parecia estar de bronca com ele. Fez defesas espantosas. E também porque o próprio Barrios finalizou mal em pelo menos duas oportunidades.

Outro que abusou de perder gol, mas fez uma partida muito acima de sua média recente, foi Pedro Rocha. Foi dele a bela jogada que abriu o caminho para a goleada, num momento em que o goleiro se consagrava. Ele aplicou um elástico no adversário e cruzou na medida para Luan marcar sem maiores dificuldades. Aqueles que não conseguem ver qualidade nesse jogador prata da casa morderam a língua.

Mais adiante, Pedro Rocha chutaria uma bola nas nuvens e em outra atrasou para o goleiro ao tentar um gol por cobertura, sem contar um lance em que adiantou demais a bola que ficou dócil nas mãos de goleiro. Ele ainda marcaria o quarto gol, após receber uma ‘metidinha’ perfeita de Gata Fernandez (mostrou muitas qualidades), driblando o goleiro. 

Enfim, PR é um atacante de grande potencial. Vale a pena investir nele, para desespero de seus críticos mais ácidos.

Luan foi o nome do jogo. Armou, combateu, organizou e fez gols, um de pênalti, sofrido por Cortez, de ótima atuação, mesmo considerando a fragilidade do time venezuelano. Depois, no segundo tempo, Luan perdeu a chance de elevar para 5 a 0 o placar ao bater pênalti (sofrido por Fernandinho) nas mãos do goleiro.

O defeito de Luan nesse jogo foi de prender demais a bola e tentar lances de efeito fora de hora, comprometendo a fluidez do time na frente.

O jogo confirmou o que começava a ficar evidente: o Grêmio tem grupo para fazer uma excelente campanha na Libertadores. Se não perder nenhum de seus destaques (Arthur já é visado pelo futebol europeu, assim como Luan), e ainda puder contratar pelo menos mais um meia de qualidade (Éverton Ribeiro, por exemplo), o Grêmio pode até brigar pelo título do Brasileirão e da Copa do Brasil.

Hoje, o Grêmio não deve nada a qualquer um dos times festejados do centro do país.

E tem o melhor treinador. 

 

Grêmio vence, convence e lidera

Nada pode ofuscar a vitória gigante sobre o Atlético Paranaense, que até este domingo só havia sofrido quatro derrotas em sua grama sintética, uma delas para o próprio Grêmio. Muito menos a vacilada de Marcelo Grohe.

Grohe exagerou na ‘cera’, e o juiz foi rigoroso, porque já vi cera muito pior (por exemplo, o goleiro Aranha no tristemente famoso jogo do racismo), e nada aconteceu. Grohe confiou que nada aconteceria, e se deu mal.

Por sorte, o time armado com sabedoria pelo técnico Renato Portaluppi ganhou maturidade e tem qualidade suficiente para resistir 15 minutos e garantir a vitória por 2 a 0, mantendo 100% de aproveitamento (o que não faz uma folga no momento certo…) no Brasileirão.

Se outros candidatos ao título da série A vacilarem como Grohe, o Grêmio vai, como diria um velho amigo dos tempos de redações da Caldas Júnior, ‘abiscoitar’ o tri do Brasileirão. O Grêmio, realmente, está ‘supimpa’.

Voltando ao jogo de Curitiba (cidade que me faz lembrar aqueles dolorosos 4 a 0), espero que os gremistas aliviem as críticas ao grande goleiro gremista, que pensem em suas grandes defesas e esqueçam eventuais falhas ou deslizes.

Deixem isso para os colorados. Acompanhem: eles usarão seus espaços para atacar Grohe, que tem seus defeitos, como todos os goleiros, mas que deve ser defendido pelos gremistas, que precisam colocar a paixão pelo time acima de teses e/ou preferências pessoais.

Não vi até hoje nenhum torcedor dar volta olímpica com troféu na mão por ter confirmada uma tese qualquer. 

Grohe deve ser preservado, até porque não tem substituto à altura, embora Léo tenha entrado bem. Mas isso não impede que Renato tenha uma conversinha ao pé do ouvido com seu goleiro.

Dito isso, só elogios ao Grêmio, que lidera o Brasileiro com 6 pontos e já começa a ser olhado de forma diferente pelos palmeirenses, corinthianos, flamenguistas, atleticanos, sempre apontados como favoritos ao título.

Mais uma vez a defesa foi uma muralha. A dupla de área foi impecável. Os laterais foram eficientes, com destaque para Cortez, que começa a levar jeito de titular.

No meio de campo, Ramiro foi de novo espetacular. Enchem a bola do Rodrigo Dourado, um volante muito bom, mas esquecem que Ramiro é superior, é ele quem dá equilíbrio ao time, e ainda ajuda a fazer gols, quando ele mesmo não os faz. O PGV, apelido que lhe dei há dois anos, está demais.

O novato Arthur mais uma vez encheu os olhos. Só é preciso cuidado com elogios de fonte suspeita, com terceiras e quartas intenções. Pés no chão.

Michel não chegou a brilhar, mas foi correto e importante na marcação, no combate incessante.

Na frente, Pedro Rocha foi taticamente importante, mas precisa jogar mais se quiser continuar na titularidade.

Por fim, o fazedor de gols. Lucas Barrios voltou a marcar e já alcança uma marca invejável.

Confesso que não esperava tanto dele. É, pra mim, uma grata surpresa.

PENALTI

Diferente dos tais observadores de arbitragem, não vi pênalti de Kannemann. A bola bateu em seu corpo e ricochetou no braço esquerdo.

Acertou o juiz.

Só falta dizerem que Grêmio ganhou com erro de arbitragem.