Supertimes

Supertimes

Interessante texto do botequeiro (não troque sílabas, por favor) Alexandre Sanz.

Um texto para reflexão no carnaval!

“Amigos, atualmente os times brasileiros que irão disputar a Libertadores precisam se preocupar com duas coisas: a primeira, obviamente, é achar formas de ganhar esse título tão desejado; a segunda é procurar montar um time que seja capaz de não passar fiasco no Mundial de Clubes e, para isso acontecer, existem duas chances, a semifinal, Inter e Galo já protagonizaram, e a final Santos levou 4 ao natural do Barça, poderia ter sido mais, bem mais, digo isso porquê nos últimos anos temos percebido a constante criação de Supertimes na Europa, durante algum tempo tivemos 3 desses Supertimes, Barcelona, Real Madrid e Bayern, mesmo que ainda um pouco inconstantes esses times vêm cada vez mais se tornando mais e mais constantes em suas idéias de jogar futebol, este ano surge uma quarta força o Paris Saint Germain, que já abre 24 pontos em sua Liga Nacional a frente do segundo colocado, a Juventus de Turim e o Arsenal da Inglaterra começam a dar sinais de que estão pegando o trem da história e seus times passam a jogar um futebol baseado nas idéias de Supertime e por fim o anúncio da contratação de Pep Guardiola pelo Manchester City somada a informação de que terá em torno de 1 bilhão de Euros para formar seu time, veremos nas próximas temporadas o surgimento de mais um Supertime no futebol europeu, isso significa que cada vez menos teremos um “Chelsea, Liverpool ou Inter de Milão” nas finais de Mundial de Clubes, coloco entre aspas pois os mesmos podem se tornar os próximos Supertimes, aumentando a distância entre nós sulamericanos e eles europeus.

Interessante pensar em como e quando surgiu este conceito de Supertime, na minha opinião, baseado nas declarações, em várias entrevistas que tive a oportunidade de escutar, de Pep Guardiola este conceito foi montado durante muito tempo, através de experiências e estudo, mas o legal é que ele começou no início dos anos 80, entre 1980 e 1982, com a seleção brasileira, que foi um dos primeiros times na era pós Pelé, que colocou “os melhores” para jogar, independente de posições, foi um time que marcou pelo futebol arte, porém sem muitas responsabilidades e que atacava o adversário de forma direta através da qualidade técnica de seus jogadores, como foi um time que não venceu títulos, sempre houve críticas sobre se era a forma de se jogar mais efetiva, faltava algo que desse liga a este conceito de futebol, que hoje vemos como características nos melhores times do Mundo os “Supertimes” ou seja, jogadas que são trabalhadas em todos os quadrantes do campo, centro, esquerda, direita, dribles, tabelas, viradas de jogo e cruzamentos.

A partir daí os conceitos de futebol se transformam para o destaque na consistência defensiva, que se utiliza de alguns craques que decidam quando tenham a oportunidade, assim foi Argentina de Maradona, Alemanha de Mathäus, Brasil de Romário, França de Zidane, Brasil de Ronaldo e Rivaldo e Itália de Canavaro e Buffon.

Em 2008 a Espanha de Luís Aragonés, apresenta ao Mundo o Tic Tac, um futebol que principalmente objetiva o domínio completo da partida através da posse de bola, se utilizando de seus dois craques meio campistas, Iniesta e Xavi Hernandéz eles ganham a Eurocopa, e mostram que a consistência defensiva é a própria posse de bola, o conceito: “enquanto a bola estiver comigo não sofro gols”, apesar de revolucionário era um futebol cansativo de ver (imagine correr atrás), então Pep Guardiola acrescentou este estilo a máxima da seleção de 82 “jogam os melhores” ele teve sorte afinal tinha craques como Xavi, Iniesta, Alexis Sanchez, Fábregas e principalmente Messi, ou seja o tic tac foi a “liga” do conceito “seleção de 82″, fica claro, para mim, para muitos comentaristas do centro do país que o futebol do MUNDO INTEIRO, caminha para utilização desses dois conceitos e que os principais times europeus estão se preparando para se transformarem em Supertimes, o que será lindo de ver pois teremos jogos de altíssimo nível em breve, um nível maior que o que vemos atualmente.

No Brasil, ainda lambemos as feridas do 7 a 1, agora temos boas novas, existem dois treinadores aqui que se atentaram para as novidades européias são eles: Adenor Bacchi e Roger Machado, como o Tite teve seu time todo esgualepado, ficamos com Roger e seus conceitos para o desenvolvimento do Grêmio, que pode marcá-lo nos próximos anos e uma vindoura era de Títulos e Grandes times, talvez, se bem feita esta transição, disputando de forma digna embates contra os grandes europeus.

Muitos dirão, “sonha”, respondo “sim sonho”, os melhores jogadores do Mundo, Messi, Suarez, Douglas Costa, Neymar, Di Maria, Alexis Sanchez são sulamericanos, então é bem provável que desses nomes virão os protagonistas dos próximos Supertimes, Luan, Everton, Lincoln, Tontini, Wallce, Arthur, Balbino…o que não combina é jogar com jogadores como Douglas e Bobô, ai matamos um dos dois conceitos do “Supertime” que é “jogar com os melhores”.”

Grêmio ganha corpo para a Libertadores

O time do Grêmio começa a tomar corpo para o desafio da Libertadores.

Mesmo considerando a fragilidade do Aimoré, o Grêmio mostrou um futebol que chegou a ser empolgante – em alguns momentos – pela objetividade e pelas inúmeras situações de gol criadas.

Se o time funcionou do meio para a frente, teve problemas de novo no sistema defensivo. Um adversário mais qualificado – como os que disputam a Libertadores – saberia aproveitar melhor os espaços vazios criados.

O gol de cabeça não aconteceu, mas a escapada de Elias para abrir o placar é inadmissível. Quase todo o time todo estava no setor ofensivo. 

Mas o que importa é que o time encontrou algumas opções interessantes. O novato Wallace Oliveira fez outra boa partida. Foi dele o lançamento para o gol de Fernandinho, o 3 a 1.

Mas o principal do jogo foi que Éverton está se consolidando como titular. O guri começa a mostrar maturidade, já não está tão afoito.

Foi dele o gol de empate. Éverton recebeu uma bola preciosa de Pedro Rocha  – este ainda instável e inseguro -, driblou o goleiro, que já salvara o Aimoré duas vezes, e mandou para a rede.

Henrique Almeida terá dificuldade para ser titular se Éverton continuar assim.

No segundo tempo, aos 14, Éverton recebeu bola enfiada por Douglas e cruzou para Luan marcar como um típico centroavante.

Em resumo, o Grêmio tem um time confiável para vencer o Toluca no México. Desde que Roger não entre na conversa daqueles que já entram em campo pensando somente em garantir um pontinho, o traiçoeiro pontinho fora.

A defesa está confirmada. A dupla de volantes entrosada.

 

Luan é o homem mais adiantado.

O trio de meias tem um problema: Douglas já não tem pique para suportar o ritmo frenético de um jogo de Libertadores. Está mostrando isso neste começo da temporada. Ele compensa com sua técnica apurada, mas é preciso mais.

E o mais é Lincoln. Até acho que Lincoln precisa mesmo entrar aos poucos no lugar do maestro. Mas Roger não pode demorar tanto a colocar essa pedra preciosa se o jogo estiver enroscado.

Lincoln mais uma vez entrou muito bem no jogo. Está pedindo passagem.

Olha o Lincoln aí, gente!

D’Alessandro vai, Henrique chega (para o Grêmio)

No final de 2012, depois de uma derrota em casa diante da Portuguesa, a torcida colorada explodiu em vaias.

Entre os vaiados, o ídolo D’Alessandro – no futebol, nem os ídolos são poupados -, que reagiu ao seu estilo:

— Eu pulo da barca… não tem problema nenhum. Minha vida não acaba aqui.

Quase quatro anos depois, D’Alessandro mostra que sua vida não acabou no Inter.

Em entrevista coletiva confirmou sua saída do clube, onde acumulou títulos, e de onde sai com a fama de dono do time e derrubador de técnicos.

Acima de tudo, D’Alessandro foi um vitorioso por aqui. Reinou Abaixo do Mampituba, mas não foi tão bem acima da divisa com SC. 

D’Alessandro sai do Inter na hora certa. Seu futebol decaiu com o peso da idade.

Além do mais, e principalmente, a relação custo/benefício já não compensa ao clube manter o meia argentino.

A relação dele com a direção já não era como antes. Um amigo comentou, brincando, que Piffero temia perder o trono de presidente para D’Alessandro.

Pesou nessa decisão, nesse acerto, o fator grana. O Inter deve muito dinheiro a D’Alessandro. Segundo o comentarista Guerrinha, em declaração no programa Sala de Redação, são em torno de 8 milhões de reais apenas pelo aluguel do passe.

Não se sabe se é um valor corrigido em dólar, como seriam os salários mensais.

D’Alessandro, na verdade, passou a ser um peso, um estorvo, um incômodo para a atual diretoria.

Vamos ver agora como será a vida do Inter sem D’Alessandro, pouco dinheiro e muitas dívidas.

Prevejo tempestades sobre o Beira-Rio.

HENRIQUE ALMEIDA

O goleador do Coritiba no Brasileirão chegou a comer canapés no camarote do Beira-Rio. Sua contratação pelo Inter era certa. Hoje, o Inter desistiu do negócio em função de um suposto problema jurídico.

O Grêmio não vacilou e bancou a contratação de Henrique Almeida. Um duro golpe para os colorados.

Não lembro bem do futebol dele, mas ao menos é alguém que faz gols. Coisa rara.

Que entre logo em campo!

NILMAR

Mesmo depois de Henrique Almeida (uma aposta) estou sugerindo uma investida para contratar Nilmar. Isso, se ele estiver bem fisicamente e não for caro demais.

Nilmar, em forma e motivado, seria perfeito para esse esquema do Grêmio.

Talvez o negócio não desse certo, mas que deixaria um pessoal conhecido aqui da praça alvoroçado, deixaria.

O primeiro a ser procurado pela imprensa seria o sogro colorado de Nilmar.

 

 

 

O desespero não é bom conselheiro

A duas semanas de estrear na Libertadores o comando gremista dá sinais de desespero.

Os negócios que foram tentados – talvez não apenas os divulgados, mas também outros que conseguiram ficar sob sigilo – não deram certo.

Acredito que boa parte das investidas esbarrou em valores, como parece ter sido o caso do zagueiro Henrique.

O fato é que o tempo foi passando, passando, e nada de reforços que realmente qualifiquem o time, principalmente em duas posições: meia e atacante.

A continuar assim, o Grêmio irá estrear contra o Toluca com Douglas no meio de campo e Éverton, que alterna no mesmo jogo boas jogadas e lances bisonhos, como foi aquele chute em que a bola saiu pela lateral. 

Os titulares para essas funções não vieram. E, a julgar pela insistência com o venezuelano Josef Martinez (vi um vídeo com lances dele, quase todos sem consequência), é melhor que não venha ninguém mesmo.

Se for para contratar jogador meia-boca que se aposte e que se insista com a gurizada da base.

O fato é que à medida em que o tempo passa mais aumenta o desespero, a ansiedade, a angústia.

E aí é meio caminho andado para contratações que não trarão nada de positivo.

Melhor a fazer agora é parar, respirar fundo, e seguir buscando jogadores que acrescentem, que somem, que não sejam mais nomes para onerar a folha de pagamento.

O desespero não é bom conselheiro.

A grande lição do 1º tempo em Caxias

O melhor do jogo ontem em Caxias foi a lição que o técnico Roger pode tirar do que aconteceu, e o que aconteceu a imensa maioria dos gremistas já antecipava: um trio de volantes para enfrentar o Brasil na abertura de um Gauchão é uma demasia.

Pra quem prepara um time para disputar a Libertadores não é apenas uma demasia, é uma perda lamentável de tempo. É também um conceito de futebol que não combina com o Roger que conhecemos após a saída de Felipão.

Esse jogo contra o Brasil, pra mim é quase um jogo-treino já que o foco, o objetivo, a obsessão de todos os gremistas que eu conheço, é vencer a Libertadores. Não disputar, vencer, pra ficar bem claro.

Era mais uma oportunidade para testar alternativas, novas possibilidades. Essa de escalar Edinho quase que como um meia é o que eu chamo de invenção. Roger deve ter seus motivos, porque se trata de um treinador capacitado. Mas é um treinador, e os treinadores costumam fazer dessas coisas. Lembro aqui o RG, o Douglas Costa, o Anderson, entre outros. 

São treinadorices que eles costumam impor a nós ‘leigos’.

O mais razoável, o mais sensato e mais útil seria começar um dos guris para compor a linha meia-atacante.

Lincoln seria o mais indicado. Talvez o Tontini, ou mesmo o Pedro Rocha, que acabou entrando no intervalo, numa correção de rumo de Roger.

O guri entrou no lugar de Edinho, que até foi bem dentro de suas limitações técnicas e táticas.

O primeiro tempo, então, provou o que a gente já sabia: o papel de Giuliano não pode ser exercido por um volante.

Espero que Roger tenha se convencido disso. Mas desconfio que não. Roger, lembrando, colocou Ramiro no lugar de Giuliano; Ramiro lesionou-se e ele colocou Moisés; e agora veio com Edinho pra cima de mim. Três volantes em sequência. Temo que ele possa insistir. Portanto, o negócio é torcer para que Giuliano esteja em plenas condições de enfrentar o Toluca.

Sem Edinho e com Pedro Rocha o Grêmio foi outro time. Até ali apenas Luan e Maicon – mesmo batendo cabeça com Edinho – jogavam realmente bem. Luan, inclusive, marcando o gol de empate após jogada com Maicon, este um volante inteligente e de boa técnica.

Luan ficou ainda melhor no segundo tempo. Aos 2 minutos, ele cruzou na medida para Everton fazer 2 a 1. Foi uma bela jogada de Luan. Grande jogada também foi a de Maicon, que encontrou Pedro Rocha livre para afundar a rede com um chute que foi uma execução do goleiro Martini.

COTAÇÃO

Grohe vacilou no gol do Brasil. Mas pior foi o sistema defensivo como um todo. O atacante fazer o gol com os pés dentro da pequena área numa cobrança de escanteio é uma várzea. Wallace ficou parado, olhando. 

Wallace Oliveira mostrou bom futebol. Leva jeito pra animador de auditório também. É um jogador com potencial pra crescer e se afirmar.

Geromel muito bem. 

Kadu bem na marcação, com direito a uma grande jogada ofensiva, que deixou Pedro Rocha em condições de ampliar.

Marcelo Oliveira, alguns grandes lances de ataque. Eficiente na marcação.

Wallace eficiente como sempre.

Maicon deu duas ótimas assistências. Ainda não está 100% fisicamente, mas ainda assim foi mais competente que Douglas na hora de colocar o atacante na cara do gol.

Douglas joga em outro ritmo. Está em outra ‘vibe’. Difícil entender por que Roger não colocou Lincoln na metade do segundo tempo. 

Éverton é um bom atacante, já mostrou isso. É boa alternativa para um titular que ainda não existe no clube.

Luan o melhor do time.

Pedro Rocha entrou bem, movimentação intensa. Boa alternativa, nada além disso.

Moisés de futebol discreto, mas aplicado. Jogador de grupo.

Ah, já ia esquecendo. Tem o Bobô que… Melhor esquecer.